sexta-feira, 30 de maio de 2014

4º Programa Argumentos: Diálogos Culturais - Deus existe?!

Para quem gosta do assunto - DEUS - uma das questões mais importantes da filosofia, recomendo que assista o programa. Eles está muito bom!


TEMA DO PROGRAMA: A evolução do conceito sobre “Deus”: uma análise laica, científica e local.

Possíveis perguntas para planejamento e preparação:
Teorias básicas sobre o conceito Deus (se der ver a segunda parte de um dos meus livros...fala sobre Deus):
1.    Deus não existe, ou não se sabe.
2.    Existem vários deuses.
3.    Deus apenas deu o pontapé inicial.
4.    Deus existe e participa ativamente da vida mundana.
5.    Deus é natureza ou energia.

São Tomás de Aquino criou as 5 (cinco) provas de que Deus existe, resumidas a seguir:
1. O universo está em movimento – Nada se move sem uma causa anterior. Isso leva o homem à uma regressão até uma causa primeira, não explicável, a qual chamamos de Deus.
2. A causa em geral – Nada é causado (criado) por si só. As coisas ou são causas ou são efeitos. Novamente há uma regressão até uma causa primeira – Deus.
3. A necessidade e possibilidade – todos os seres estão em constante transformação: ora sendo gerados, se modificando e deixando de existir. Portanto, o que ainda não existe precisa de alguma coisa para passar a existir. Quando o mundo não existia, alguma coisa deve tê-lo feito existir. A isso chamamos de Deus.
4. Grau hierárquico das coisas – índole platônica de que existe um grau de hierarquia em todas as coisas do mundo. Há medidas na bondade, na maldade, na verdade, na nobreza e em todas as perfeições de qualquer gênero. Deverá haver uma perfeição em grau de bondade e de verdade, que denominamos Deus.
5. Tudo o que existe possui uma finalidade – todos os corpos materiais existentes no mundo possuem um fim, mesmo que não tenham inteligência ou consciência disso. A regularidade de nosso mundo mostra que eles não estão aí por simples acaso. Com isso, consegue-se provar que uma inteligência ordenadora deve ter “projetado” toda a complexidade que existe. O arquiteto Divino é denominado de Deus.


* 1º - 2º e 3º Bloco: 15 minutos
CONVIDADOS:
- VALDO BARCELOS – Prof Dr. do Centro de Educação da UFSM.
- WENCESLAU LEÃES FILHO – Doutorando em Educação UFSM.


Artigo do Jornal Expresso Ilustrado - 30 de maio de 2014 - Santiago: diagnóstico - por Giovani Pasini

Santiago: diagnóstico


Nascer em Santiago não é grande coisa. Eu nasci e, possivelmente, você também nasceu. Caso seja da redondeza, de Jaguari ou Nova Esperança, por exemplo, você sempre achará a sua cidade melhor que a nossa. Quero dizer, a terra natal somente é importante para os próprios nativos (ou para adotivos). Tudo tem a ver com os olhos. Isso mesmo, com os olhos. O mundo que existe é aquele que a nossa visão consegue alcançar. Sendo mais sucinto: nós não teríamos vínculo afetivo com o Boqueirão, caso tivéssemos nascido em Brasília. O gaúcho, povo inocente na sua maioria, tende a ter um “nacionalismo ufanista”; mais que isso, pendemos para um “regionalismo ufanista”. Pensamos, ingenuamente, que a terra rio-grandense é a melhor do mundo. Será? Dependerá de uma coisa – se você é gaúcho, ou não. No caso específico, se ama Santiago e tem ela como seu chão. Amar a terra do Caio Abreu não significa apenas ter nascido nela; é claro que não! Conheço quatro ou cinco pessoas “forasteiras” que já fizeram mais por essa terra do que a maioria dos que aqui nasceram. Outra “inocência-fanática” que algumas vezes temos – um bairrismo (panela), resquício do coronelismo do tempo da Guarda Nacional. Gosto das esquinas de nossa localidade: Getúlio Vargas, Tito Beccon, Bento Gonçalves, Pinheiro Machado... Aqui, caríssimo leitor, as esquinas reservam surpresas. Acrescente-se as praças; elas também causam sustos (bocas abertas e dedos nos lábios). Se um médico pudesse diagnosticar a Santiago do Boqueirão, ele diria: “Olha, você está com um caso crônico de admiração...” Por fim, ele concluiria “...é um caso raríssimo! O tratamento? Dois comprimidos diários de ‘cuide-da-própria-vida’ e, se der, faça uma pequena injeção de indiferença”.

sábado, 24 de maio de 2014

Artigo do Jornal Expresso Ilustrado - 23 de maio de 2014 - Crônica Saudosista - por Giovani Pasini

Crônica saudosista


Tenho saudade da minha Santiago de antigamente. Daquela cidade que ficou num passado, que não existe mais. Como vários dos leitores, possuo recordações fortes em relação à infância, no Boqueirão. Lembro-me do Nanaio, da “mudinha”, das brincadeiras pelos trilhos da estação ferroviária (por que não chamamos de “gare” de Santiago?), das balas jogadas pelo papai Noel das lojas Nicola... Recordo da antiga pracinha de brinquedos, com aquela roda de argolas, na qual girávamos, girávamos, girávamos... Volta à memória, agora, quando catávamos jornais e vidros, para vender ao Firmino, do mercadinho Bonanza. Por quê? Buscávamos dinheiro, ainda que migalhas, para comprarmos os chicletes “Ping Pong”, das figurinhas da Copa de 1982. Relembro a imagem de minha mãe, organizando a saída dos jovens, dizendo que deixaria a porta da cozinha aberta: afinal, eram três irmãos, vários primos e uma única chave. Segurança e liberdade. Essas palavras saudosistas permearam a memória de minha geração e da anterior, na Santiago do Boqueirão. Bater papo com os amigos, madrugada adentro, na praça da Matriz... Boa época era aquela, quando o crime passava bem longe da terra de Caio Abreu. As maiores aventuras que existiam, revivo na alma, eram as pescarias pelas sangas da região... Caminhar por quilômetros e conseguir apenas alguns lambaris. Andávamos em cada reentrância, das coxilhas que acariciavam o entorno da barragem, em busca do maior peixe do mundo. Saudosismo, sim. Nostalgia, talvez. Como encerrar? Acariciado pelas letras de Lupicínio Rodrigues, que foi cabo do Exército: “A minha casa fica lá detrás do mundo / Mas eu vou em um segundo, quando começo a cantar/ e o pensamento parece uma coisa à toa/ mas como é que a gente voa, quando começa a pensar? (...)”

sexta-feira, 23 de maio de 2014

3º Programa Santa Maria: Argumentos - Diálogos Culturais - 22 de maio de...


PAUTA 3 – CULTURA E EDUCAÇÃO

TEMA DO PROGRAMA: Cursinhos preparatórios para vestibulares e para concursos públicos: função social para Santa Maria, para a região e para o Brasil.

Possíveis perguntas:
1.     Quais os fatores sociais positivos da existência dos cursinhos preparatórios e pré-vestibulares?
2.     Quais as influências e reflexos dos cursinhos para a cultura de nossa sociedade (santa-mariense e brasileira)?
3.     Existem alguns cidadãos que são contrários ao sistema de cursinho, por acharem que representam o reflexo de uma educação deficitária? O que dizer para eles?
4.     Após a aprovação nas diversas instituições públicas e privadas, vocês mantêm contato com os ex-alunos? Existe um feedback deles? Existe a gratidão e o sentimento de dever cumprido?
5.     A relação professor-aluno, nos cursinhos, é diferente da mesma relação quando falamos de ensino fundamental e médio das escolas brasileiras. Quais os fatores positivos dos cursinhos que deveriam ser implantados na educação escolar curricular?


* 1º Bloco: 15 minutos
CONVIDADOS:
- KARINA CORREA
Diretora do FOCO MULTICURSOS

- RODOLPHO ALEXANDER DE SÁ ARAÚJO
Coordenador Pedagógico - Totem Preparação Seriada

* 2º Bloco: 15 minutos
CONVIDADOS:
- LETÍCIA HOSTIN
Coordenadora Pedagógica do FOCO MULTICURSOS


- HÉLIO MORCELLI PALMA
Sócio Proprietário e Professor de Física do Fóton Vestibulares

domingo, 18 de maio de 2014

Artigo do Jornal Expresso Ilustrado - 16 de maio de 2014 - Sobre um politeísmo disfarçado - por Giovani Pasini

Sobre um politeísmo disfarçado


Antes do cristianismo, a religião de Roma era caracterizada pelo culto aos diversos deuses e semideuses, cada um com a sua especialidade. Tinha-se, por exemplo, Júpiter “o pai dos deuses”, Apolo “deus do sol”, Marte “deus da guerra”, Vênus “deusa do amor e da beleza”, Psique “deus da alma”, entre outros. Por quê? Temos maior facilidade em acreditar em deuses e semideuses, do que num Deus único. Por quê? Nós, humanos, possuímos qualidades e defeitos, assim como os deuses latinos tinham capacidades e limitações. Quero dizer: Apolo, o deus sol, podia realizar determinadas coisas, tinha inimigos e, por isso, estava mais perto do humano. Aqui, portanto, vai uma reflexão para quem se julga católico convicto: não seriam os santos uma espécie de politeísmo disfarçado? Para a igreja Católica, eles não o são: apenas intercedem junto a Deus, sendo “intercessores”. Entretanto, para o povo, aquele cristão inocente e desinformado, representado por uma imensa maioria de seguidores dessa crença, o que existe é o alinhamento e a rogação a um “semideus”, representado na atualidade, pelos santos católicos. Por isso rezamos para a Nossa Senhora Aparecida “Protetora da igreja e das famílias”, para São Sebastião “Soldado e mártir da fé”, para São Jorge “Combatente do mal” e tantos outros semideuses, digo, santos. Eles são humanos, como nós, que ultrapassaram barreiras, por intermédio da fé e dos milagres (às vezes). Antes que haja qualquer insinuação, quero dizer que sou cristão, de origem católica. O estudo, contudo, fez-me perceber que somente a fé pode remover montanhas. O problema é que ela é individual, subjetiva, e se baseia nas incertezas. Tudo o que temos convicção – esse artigo por exemplo – não necessita de fé. Ela se estrutura por sobre a dúvida, sendo um belo caminho para incoerências. Você, caro leitor, não seria mais um adorador politeísta de semideuses canonizados? 

quinta-feira, 15 de maio de 2014

2º Programa Santa Maria Argumentos: Diálogos Culturais - Canal 19 NET - TV Santa Maria




TEMA 2 – EDUCAÇÃO 

O escritor Joaquim Moncks afirmou: “O brasileiro não lê, porque os professores, de maneira geral, não dão o exemplo.”

Perguntas:
1. Você concorda com isso?
2. Quais as dicas práticas para melhorar a educação?
3.  A literatura auxiliaria na educação de nosso povo?
4. Quais sugestões práticas para alavancar a educação brasileira?

CONVIDADOS:
- Angelise Fagundes 
Escritora, Mestre em Literatura, integrante do Grupo Kitanda

- Rafael Friedrich

Advogado, Mestrando em Educação, integrante do Grupo Kitanda

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Artigo do Jornal Expresso - 9 de maio de 2014 - Gangorra - por Giovani Pasini

Gangorras


Cheguei à conclusão de que a vida é uma gangorra. Algumas vezes estamos embaixo, outras lá em cima. Penso que não devemos nos preocupar com o sucesso ou fracasso. Trabalhando, estudando, o sucesso será atingido, de alguma forma. Até pelo motivo que a “sensação de sucesso” é individual, subjetiva. Não estou falando da ostentação que vemos no facebook. Refiro-me à busca da plenitude, daquela impressão boa, quando sentimos que estamos fazendo o que gostamos. A “paixão” é que move o mundo; ela é que movimenta os nossos sonhos. Não somos perfeitos, nem nunca seremos. Algumas pessoas não gostarão da gente, independentemente do quanto pacatos formos. A violência, infelizmente, faz parte da história da humanidade. A ferocidade está arraigada no subconsciente coletivo, na podridão sociológica do “olho por olho, dente por dente”, da antiga lei de Talião. Temos muito o que aprender. Como indivíduos – cidadãos – e como sociedade.  Será que a falta de consequências judiciais, sem penalidades efetivas, estão nos transportando para a idade da pedra? Onde estão os valores, a educação, a família? Quais os exemplos que queremos para os nossos filhos e netos? Que país é esse, que faz justiça com as próprias mãos? Povo selvagem, que retorna à mais primitiva das civilizações. Somos ignorantes e acéfalos. A vida e a história são duas gangorras. Na idade média, queimavam-se livros por causa da fé. No século XX, as ideologias é que criavam labaredas nas almas. Nesse novo milênio, o Brasil está no limite mais inferior daquela gangorra, que chamamos de civilidade. Reflexo da péssima educação que, de maneira geral, vemos nessa sociedade decadente. No dicionário, brasileiro é apenas um sinônimo de voto.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

1º Programa - Santa Maria Argumentos: Diálogos Culturais


Entrevistados: 

- Prof. Dr. Valdo Barcelos - UFSM
- Sra. Glória Torres Novaresio - Argentina



- Joaquim Moncks - Coordenador Nacional da Casa do Poeta Brasileiro
- Marilú Duarte - Academia Sul-Brasileira de Letras


Percebemos que temos que melhorar um pouco no sistema de luzes. Entretanto, o conteúdo foi muito bom!

Acesse: www.smargumentos.com.br

domingo, 4 de maio de 2014

Artigo do Jornal Expresso Ilustrado - 3 de maio de 2014 - TV Santa Maria: Argumentos - por Giovani Pasini

Bastidores do 1º programa ARGUMENTOS

Valdo Barcelos (UFSM) e Glória Torres ( Argentina) 

TV Santa Maria - Argumentos

No dia 8 de maio, iniciará o programa “Santa Maria Argumentos: diálogos culturais”, no canal 19 da NET, na TV Santa Maria. Tive a grata satisfação de ser convidado para ser o apresentador / mediador, sendo que ele irá ao ar, na forma inédita, todas as quintas, às 21h30min e terá a duração de 45 minutos. Será reapresentado, ainda, por mais três vezes (sextas, domingos e quartas), no mesmo horário. O jornal Expresso Ilustrado e o site Nova Pauta são dois dos patrocinadores de tal ideia, sendo, como sempre, veículos de informação inovadores, ao interagirem pelas várias mídias.  Agradeço à direção, pela confiança. Inicialmente, confesso que fiquei preocupado com a responsabilidade, ainda mais por ser militar e amar a profissão que abracei. Contudo, devidamente autorizado pelo Comando, resolvi aceitar o desafio. A pauta transitará pela educação, cultura, literatura e assuntos da atualidade. Será uma roda de debates, sempre com mais dois convidados e buscará uma linguagem acessível ao público. Se o leitor do Expresso quiser mais informações, poderá acessar a página (www.smargumentos.com.br) ou o da própria TV Santa Maria, por intermédio do link: (http://santamaria.tv.br/). O primeiro tema falará sobre a educação e terá a participação de Valdo Barcelos, da UFSM e de Glória Torres, da Argentina. Dentro de pouco tempo buscaremos a participação de diversos santiaguenses e de pessoas de toda a região, visto que a TV pela internet propaga a mensagem para todo o mundo. Aceitamos sugestões de pautas e de debatedores, basta contatar pelo e-mail: (smargumentos@gmail.com). Até lá!


quinta-feira, 1 de maio de 2014

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...