quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Poema "A barata" - para Carlos Drummond - por Giovani Pasini




A barata
para Carlos Drummond

Caminhamos desnorteados
feito a pequena barata tonta
que se assusta com a companheira esmagada.

É tão ruim quando um grande significado
- de nossa vida -
perde a sua significância.

Transitamos pelo sussurro da água
que escorre pelo esgoto
do (i)mundo.

Surdo é o silêncio
do crepúsculo
da alma
que se veste de cinza
negro
escarlate
mesmo no meio da
própria aurora boreal.

Surdo é o silêncio
que fica lá fora
longe
bem longe
de nossa sombra barulhenta.

Esmagados
os ombros insistem em resistir
ao pé
do peso
do pesadelo
iliterato.

Vazio é o caminho
desnorteado
da barata
feito pedra
no caminho.

Nós,
- o vácuo da empatia -
embriagados pelos símbolos
somos apenas
descamisados de Gaia
sem caminho.

A barata
kafkou comigo...
Esbugalhada!
Ao menos não pisotearam
no pedregulho de Drummond!

Carlos Giovani Delevati Pasini
Santa Maria, 02 de janeiro de 2013

2 comentários:

  1. Diante de tanta beleza poética de Drummod apenas me sinto uma barata tonta que não consegue nem ver nem ouvir esse silêncio, nem a beleza das palavras aqui usadas como tinta a refazer um belo quadro

    ResponderExcluir
  2. Caro Luís Rodrigues,

    agradeço as suas palavras de apoio!

    Obrigado pela leitura do blogue.

    Abraços!

    ResponderExcluir

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...