sábado, 19 de maio de 2012

Literatura em gotas: Augusto dos Anjos



Budismo Moderno


Tome, Dr., esta tesoura, e ...corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa
Todo o meu coração, depois da morte?!


Ah! Um urubu pousou na minha sorte!
Também, das diatomáceas da lagoa
A criptógama cápsula se esbroa
Ao contacto de bronca destra forte!


Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo;


Mas o agregado abstrato das saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no mundo!


===============================


Psicologia de um vencido


Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro da escuridão e rutilância
Sofro, desde a epigênesis da infância
A influência má dos signos do zodíaco.


Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.


Já o verme - este operário das ruínas - 
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,


Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!


(AUGUSTO DOS ANJOS. Eu e outros poemas)

Um comentário:

  1. Poemas fortes..eu diria sofrido e melancólico..
    O quadro que emoldura estes dois poemas me transmitem este sentimento de melancolia...

    Parabéns pelo conjunto da sua postagem!

    ResponderExcluir

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...