terça-feira, 13 de março de 2012

Paródia - Canção do meu Exílio Contemporâneo


O poema abaixo é uma paródia da Canção do Exílio
Na verdade, é uma brincadeira feita, com certa ironia, em relação a política. Todos nós sabemos que existem políticos honestos. A crítica apresentada logo abaixo é direcionada aos políticos que não respeitam a importância da classe. 
O poema expressa o ponto de vista do "eu-lírico", espelhado em Gonçalves Dias (Romântico) e no Barroco Gregório de Matos. 
Ele está construído em Redondilha Maior, assim como o original de Gonçalves Dias. 
Agradeço a opinião do escritor Alessandro Reiffer.
=========================================

Canção do meu Exílio Contemporâneo

Minha terra tem políticos
Que só sabem pelejá;
As pestes, que aqui se ofendem,
Não insultam como lá.

Nosso fel tem mais estrumes,
Nossas pragas têm mais dores,
Nossos pobres têm mais dívidas,
Nossa dívida em favores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais mutreta encontro lá;
Minha terra tem políticos
Que só sabem desviá.

Minha terra tem feitores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho, à noite –
Mais propina encontro lá;
Minha terra tem políticos,
Que não sabem respeitá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que discuta os valores
Que não troque por votá;
Sem qu’inda aviste os políticos,
Que não pensam corruptá.
 
Giovani Pasini - 12/03/2012

2 comentários:

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...