segunda-feira, 31 de maio de 2010

Aluno Formágio - Colégio Militar de Santa Maria - Sampaio 200 anos

A seguir, encontra-se a pesquisa histórica realizada pelo aluno Marcelo Formágio, do 3º ano do Ensino Médio, realizada para o concurso "Sampaio - 200 anos". O Brigadeiro Sampaio é o patrono da Arma de Infantaria. Aluno Formágio, parabéns pelo trabalho!
===
Nascia em 24 de maio de 1810, na fazenda Vítor, na cidade de Tamboril, aproximadamente a 300 quilômetros de Fortaleza, localizada na então Província do Ceará, Antônio de Sampaio, filho de Antônio Ferreira de Sampaio e Antônia Xavier de Araújo.
Antônio de Sampaio teve uma juventude como todo jovem do interior, nos sertões nordestinos, até o dia 17 de julho de 1830, quando, aos 20 anos de idade resolveu alistar-se, voluntariamente, como Praça no então 22º Batalhão de Caçadores, sediado na Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção, onde iniciou sua vida como militar do Exército Brasileiro.
Sampaio participou de diversas campanhas do Período Regencial e do Segundo Reinado, destacando-se em todas. Entre essas campanhas está o Encontro de Icó, na então Província do Ceará, onde recebeu o batismo de fogo, em 4 de abril de 1832. Em 1835, participou da Cabanagem, na então Província do Pará; da Balaiada, na então Província do Maranhão, no período de 1839 a 1840, foi no ano de 1839 que começou sua jornada através das patentes militares, galgando-as por mérito, sendo promovido, neste mesmo ano, a Alferes, a 20 de maio e a Tenente a 2 de dezembro, sendo que na época ainda não existiam os postos de 1º e 2º tenentes. Em 11 de setembro de 1843, é promovido a Capitão.
Entre 1844 e 1845 participou da Guerra dos Farrapos na então Província do Rio Grande do Sul, demonstrando grande coragem e bravura, saindo vitorioso. No período de 1848 a 1850 esteve na Revolta Praieira, na então Província de Pernambuco.
No ano de 1851, iniciou sua participação na Guerra contra Oribe e Rosas, tendo se destacado na Batalha de Monte Caseros, Argentina, em 1852, ano em que foi promovido a Major, a 29 de julho.
Dia 2 de dezembro de 1855 foi promovido a Tenente-Coronel, tornando-se Coronel alguns ano após, em 2 de dezembro de 1861.
Destacou-se, novamente, em combate na Tomada do Paissandú, no Uruguai, durante a Guerra contra Aguirre, em 1864. No mesmo ano, também, obteve êxito no cerco e conquista de Montevidéu.
No dia 18 de fevereiro de 1865, o então Coronel Sampaio recebeu a sua última promoção, a de Brigadeiro, posto equivalente ao do atual General-de-Brigada, tornando-se o insigne Brigadeiro Sampaio.
Em 1866, foi novamente requisitado aos campos de batalha, para participar do contingente brasileiro enviado à Guerra da Tríplice Aliança, também conhecida como Guerra do Paraguai, à frente da Divisão Encouraçada, atual 3ª DE, composta pelas lendárias companhias, Arranca-Toco, Vanguardeira e Treme-Terra.
Participou dos embates necessários para a transposição do rio Paraná; da batalha da Confluência e da batalha do Estero Bellaco. Durante a batalha de Tuiuti, considerada a maior batalha campal travada na América do Sul, no dia 24 de maio de 1866, seu aniversário de 56 anos, foi gravemente ferido por estilhaços de granada, que lhe gangrenaram a coxa direita e depois, foi atingido por mais duas vezes, nas costas. Mesmo estando mortalmente ferido e com seu cavalo já abatido, o Brigadeiro Sampaio, demonstrando sua forte liderança, grande abnegação e foco em seu objetivo maior, ver o Exército Brasileiro sagrar-se vitorioso da guerra, manteve-se com sua espada empunhada incentivando suas tropas a continuarem e não desistirem do combate.
Após ser retirado do campo de batalha, foi levado ao navio-hospital Eponina, que se dirigia a Buenos Aires, quando veio a falecer, ainda a bordo, em 6 de julho de 1866.
No período de 1852 a 1865, Sampaio recebeu seis condecorações do imperador D. Pedro II, que são:
· Medalha de Prata das Campanhas do Uruguai e Buenos Aires, em 4 de março de 1852, devido à sua presença no Combate de Monte Caseros em 7 de fevereiro de 1852;
· No dia 2 de dezembro de 1854, recebeu a Medalha de Oficialato da Imperial Ordem da Rosa, devido a sua destemida bravura nas vitórias das Campanhas do Uruguai e Buenos Aires;
· Em 7 de outubro de 1856, foi agraciado com a Medalha Verena de Cavaleiro da Ordem de São Bento de Aviz, por seus inestimáveis serviços prestados ao Brasil;
· Por ocasião da sua promoção a Brigadeiro recebeu, também, no dia 18 de fevereiro de 1865, a Medalha Verena de Oficialato da Ordem do Cruzeiro do Sul;
· Foi laureado com a Medalha Comendador da Imperial Ordem da Rosa em 10 de abril de 1865, em virtude de seus relevantes serviços prestados na Província do Rio Grande do Sul;
· Em 25 de abril de 1865, recebeu a Medalha de Oficialato da Ordem do Cruzeiro por seus elevados serviços prestados a pátria.
Em 1940, o 1º Regimento de Infantaria recebeu o nome de Regimento Sampaio, em sua homenagem.
Durante a 2ª Guerra Mundial, ao ser instituída a Medalha Sangue do Brasil, usada para condecorar militares feridos em ação, as três estrelas vermelhas existentes na medalha são alusivas aos três ferimentos recebidos pelo Brigadeiro Sampaio, na batalha de Tuiuti.
Foi consagrado Patrono da Arma de Infantaria do Exército Brasileiro pelo Decreto 51.429, de 13 de março de 1962, em virtude de ser um exemplo de coragem e bravura, dentre outras características dos membros da Arma de Infantaria.
Na data de 24 de abril de 2009, pela lei 11.932, teve seu nome inscrito no Livro de Aço do Panteão da Pátria e da Liberdade de Tancredo Neves, recebendo, oficialmente, o “status” de Herói Nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...