sexta-feira, 2 de abril de 2010

Camelo, leão ou Criança? - Artigo Jornal Expresso Ilustrado - 26 de março de 2010

Nietzche construiu uma parábola interessantíssima, onde afirmou que os humanos poderiam ser definidos, espiritualmente, como camelos, leões ou crianças. Segundo ele, a maioria de nós possui a postura de “camelo”, um animal de carga que recebe todas as informações, aceitando-as como verdadeiras. Essas falsas verdades são transplantadas de um quadrúpede para o outro, sem raciocínio. Já os “leões”, ao inverso, procuram a liberdade de pensar, são os reis de seu destino e de seu mundo. Em reuniões, ou conversas, defendem o ponto de vista com unhas e dentes. Indomáveis, ferozes e fortes; mas esquecem que não podem vencer o “dragão” que se chama vida. Eles são encontrados em menor número, na sociedade, mas as mudanças que proporcionam são reconhecidas. A última etapa, pouquíssimas pessoas a atingem. Após muito tempo de felino, talvez consigamos a bendita evolução para a fase de “criança”. Quando isso ocorre, já não reagimos como um leão, pois a “alma de moleque” é edificada com inocência, humildade e felicidade; um universo limpo da maldade destrutiva do adulto. A cada amanhecer, o infante esquece o rancor e recomeça o seu mundo (re)inventado. Ele, com leveza de coração, não se irrita com o fato de existirem bilhões de camelos e leões; aceita-os como são: cabisbaixos ou impulsivos. Caro leitor, este “leão” que digita, sente-se honrado em participar, ao menos por alguns segundos de sua vida, da incansável caça ao espírito infantil. Anjos e crianças são gêmeos de nascimento. Há algum tempo o meu filho disse: “Pai, eu gosto de ti. Gosto, por que é velho!”. Leveza de espírito, sem maldade e com a sinceridade do coração. A meta para um bom homem...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...