quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O posto do oposto


A suavidade ganha novas formas ao voar.
===
Ao tirar os pés do chão
e colocar no solo fértil,
plantas do corpo,
sola da fé,
gramados, rosetas e a simples terra.
Um pacto para a eternidade...
===
A chuva aguçando os sentidos
a umidade reativando os cheiros
--mato molhado--
formigas andando e o pensamento voando.
===
Um olhar e um luar
reflexos da imensidão projetando a mansidão.
As pupilas infinitas
engolem
a pequena bola branca
que paira no céu negro
de suaves nuvens.
===
Amor aos segundos da vida.
Batimentos cardíacos conduzindo um cérebro,
ou um cérebro
movimentando músculos de uma válvula mecânica?
===
Será que nossas
calmas
alvas
almas
sonham em entender
a grandiosidade?
O posto
do oposto?
===
Mar de escuridão
com borbulhas de estrelas
e baleias de nuvens gigantescas.
===
O posto
do oposto
que existe
no nosso rosto
quando assistimos
assassinatos
no jornal
da televisão.
Devassidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar o seu comentário neste blog.
Agradeço o tempo investido nesta comunicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...