sexta-feira, 31 de julho de 2009

O aniversário da rádio Santiago...

Em 1988, o apelido que eu tinha, na 8ª série do 1º Grau, era Abobadinho da APAE.
Eu sei...
Um apelido depreciativo, recebido devido às diabruras que eu causava na sala de aula: tachinhas, puxar o cabelo das meninas, falar bobagens, entre outras ações "terroristas" que eu cometia.
==
Em virtude de tal alcunha, nenhuma menina tinha olhos para mim. Eu era o "anti-galã", o indesejado. Esse desmerecimento aumentava devido ao fato de eu ser muito mais infantil que as garotas de 13 anos, minha idade na época.
==
A rádio Santiago me ajudou. Sim, a rádio me auxiliou.
Tinha um programa romântico, noturno, onde rolavam os recadinhos de amor. Não lembro o seu nome, mas recordo que todos os adolescentes escutavam as mensagens e as músicas.
Existiam os codinomes: "Coração alado - do centro", "Olhos escarlate - da Vila Nova", entre outros. Existiam, ainda, os anônimos e as anônimas.
As garotas comentavam o que havia dado no programa, no dia seguinte, na escola.
==
Foi aí que tive uma excelente idéia, de gênio ou de pestinha (como queira).
Escrevi um bilhete da seguinte forma:
- Carlos Giovani, da turma 83 do Apolinário, estou apaixonada por você. Você é lindo, fica comigo! Ass: Admiradora secreta.
Fui pé a pé, como um criminoso e coloquei o papel na caixinha, que ficava na entrada da Rádio Santiago.
O coração saía pela boca e eu estava com medo de ser descoberto.
De noite o recado tocou e fiquei feliz, esperando a reação no Apolinário.
==
No dia seguinte tinha aula de ciências.
Adivinhem o que aconteceu?
A eterna competitividade feminina.
Uma colega de aula, de nome Luciana, que nunca havia me dado bola, chegou e disse:
- Giovani, ouviu o recado ontem na rádio?
- Não, não ouvi. - A terrível ironia dos dissimulados.
Acreditem, poucos minutos depois, ela estava com a cabeça escorada em meu ombro, assistindo a aula de ciências.
==
A minha imagem começou a mudar.
De patinho feio comecei a entrar no plano de algumas garotas.
Os recados fictícios continuaram por um tempo, até serem substituídos por alguns reais.
Pena que fui embora de Santiago, em 1989, retornando apenas 10 anos depois.
==
Só que as lembranças permanecem encravadas na memória e,
sinceramente,
tenho que agradecer a rádio Santiago AM, pelos seus 58 anos de existência.
Principalmente, por haver influenciado na mudança de minha imagem, numa época em que a competitividade conta muito, para os mais jovens.
Parabéns Rádio Santiago AM!

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Os erros de português...

Há algum tempo fui entregar um convite para um intelectual (escritor) aqui de Santiago. Ele segurou o convite nas mãos, leu e disse:
- Não quero! Este convite tem erro de português!
Fiquei assustado com a reação. Perguntei:
- Qual erro?
Ele riu (acho que cinicamente) e disse:
- Você colocou 19:30h e o correto é às 19h e 30 min. Totalmente errado!
Arrisquei a perguntar, educadamente, ainda que tivesse subido o sangue à cabeça:
- O senhor entendeu que o evento ocorrerá as dezenove horas e trinta minutos?
- Entendi. - Encarou-me com postura defensiva.
- Ah! Então obrigado, pelo ensinamento...
Saí do local e refleti sobre o assunto.
==
Existem erros e erros.
A Língua Portuguesa é uma das mais difíceis do mundo, com uma gramática complexa, além de possuir várias exceções às inúmeras regras.
Além disso, existe uma coisa chamada variante lingüística, que trata das variações que a língua sofre pelo espaço e tempo. O gaúcho não fala ou escreve igual ao nordestino.
Portanto, a gramática normativa é a que nunca muda. O resto varia ou "vareia", como quisermos...
==
O que aprendi da situação é o seguinte:
Temos que estar sempre fiscalizando a nossa soberba, buscando agir com humildade e paciência.
A humildade se refere ao ato de saber que todos nós erramos, que Machado de Assis escrevia com erros (isso é comprovado) e que ninguém sabe tudo.
Com paciência, para superar atitudes conflitantes, deseducadas, que acabam com a fertilidade criativa, sem utilizar palavras de baixo calão.
==
Já dizia algum poeta, o que importa é o conteúdo e não a forma (ou fôrma). Esta, encontra-se num segundo, terceiro ou quarto plano. Quero dizer, a emoção da leitura de um texto é mais importante que a métrica, isso é óbvio!
==
Talvez, no final de tudo, consigamos aprender com os pequenos erros de português e possamos nos encontrar na Rua dos Poetas, por volta das 20:30h. Quem sabe?

domingo, 26 de julho de 2009

A alienação dos sonhadores...


Cheguei às seguintes conclusões:

É melhor ser um sonhador alienado,
como um poeta, feito Mário Quintana,
alheio às oferendas reais (e em reais) da vida humana,
vivendo como um andarilho, nas esquinas de uma Porto Alegre (Doces ruas, ruas doces!)
do que ficar com os pés plantados, na vida irreal do homem mundano.

É mais agradável sentar no gramado, com a geada fria do amanhecer
e congelar os ossos na dor física,
ou em uma tempestade ameaçadora, bater o queixo molhado,
do que viver em contas matemáticas, financeiras, ilusórias, finitas e egocêntricas
do dia-a-dia do capitalismo.
Pingar lágrimas - no chão do telhado - de sua própria casa.
Lágrimas de vôo, felizes e incontidas - simplesmente milenares!

Preocupo-me com a minha família, o bem-estar dos meus filhos...
De resto, confesso, gosto da alienação dos sonhadores,
do pôr-do-sol, das nuvens, do céu, das árvores
e dos sonhos.
Tudo isso possui uma amplitude imensurável.
O sono sonha e o céu "sonambula".
Nada contável, mesquinho, sujo, material e desgastado.

A comunhão etérea, com o que eu chamo de Deus...
e daí?

Relembrando o passado - Reportagem da Prefeitura Municipal no blog do Rafael Nemitz

Ao ler a reportagem do Rafael Nemitz sobre o centro cultural que estará sendo criado na antiga estação ferroviária, tive que recordar a minha infância.
Em 1988, eu e meus amigos Juliano Camargo, Émerson Carmo, Ézio Andres (infelizmente falecido) estudávamos no Apolinário Porto Alegre e, seguidamente, descíamos até a estação para brincar.
O Juliano morava no bequinho do INPS, o Emerson na Vila Itú, o Ézio na Vila Nova e eu residia perto da Ponte Seca, na Rua Tito Beccon.
Os nossos anjos da guarda tinham muito trabalho, pois percorríamos o alto dos vagões da RFFSA, saltando um a um. Outras vezes descíamos em direção à casa do Émerson e cortávamos a junção dos vagões, sem medo que eles andassem.
A aventura mais louca que eu e o Ézio fizemos foi subir na torre do vigia, que fica entre a estação e a rua que desce para a URI.
Entretanto, a visão mais aterradora que tive, mais assustadora para a mente de uma criança, foi quando consegui entrar na empoeirada estação ferroviária de Santiago. Atravessei a porta semi-caída, junto dos amigos Juliano e Émerson. Do outro lado, ainda existia o guichê com suas grades de ferro. Era o palco interessante para histórias de terror. De repente, ouvimos um barulho no andar de cima e saímos correndo em disparada, com medo do fantasma que possivelmente era um vigia.
Tempos depois, no ano de 2006, estava passeando com o avô de minha esposa, o Dirceu Amarante, que na época tinha 80 anos. Ele mostrou o lugar onde era o supermercado dos ferroviários, o hotel e o que havia sido a principal Rua de Santiago (aquela que desce, com um canteiro no meio).
Na época fiquei triste com tal abandono. Juro que pensei: "Bem que Santiago poderia aproveitar para colocar o museu, teatro e qualquer tipo de cultura aí."
Ainda bem que outras pessoas também pensam. E até bem melhor que a gente...
A reportagem do Rafael me fez andar pelo passado, em uma cascata de lembranças.
Fico feliz com esse projeto...
Até mais!

Criação de um Centro Cultural


O site da Prefeitura e o blog do Rafael Nemitz possuem a seguinte matéria:

"Uma equipe da Prefeitura de Santiago já está trabalhando na reforma da antiga Estação Ferroviária, que em breve se transformará em um recanto de muita cultura no município. Inaugurado na década de 30, o prédio estava desativado há mais de uma década. Desde 2006, a Prefeitura procura manter as características do espaço, que conta com vigilância à noite, evitando depedrações. Com inauguração prevista para o dia 29 de setembro, com direito a apresentação da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, o antigo prédio da RFFSA vai abrigar a Casa do Conhecimento, com espaço para acervos históricos e exposições, além do Museu Ferroviário. O espaço também contará com salas para exibições de vídeos e documentários, ganhando toda uma estrutura atrativa para receber os visitantes. A restauração e uso deste espaço é apenas um dos vários projetos que serão implantados pela Administração Municipal, fortalecendo a identidade cultural do município".

Postei o seguinte texto no blog dele:
"Fico feliz com essa iniciativa da Prefeitura Municipal. Em conversa com a Professora Rosane Vontobel, ela disse que a tendência é de que em 5 anos uma população deixe de falar um codinome pejorativo para o próprio município.

Resoluções como esta auxiliam no desenvolvimento cultural de Santiago e na estabilização do epíteto "Terra dos Poetas".

A educação e a cultura auxiliam no desenvolvimento de vários outros aspectos: saúde, segurança, turismo, etc."

===

Completo, agora, explicando:

A educação e a cultura auxiliam no desenvolvimento:
- da saúde, por intermédio da evolução do discernimento;
- da segurança, pois criam um tipo de limite do que se pode fazer;
- do turismo é que a automotivação do povo reflete a própria curiosidade dos viajantes. Ninguém quer ir para uma cidade que os próprios conterrâneos falam mal...
Parabéns ao Prefeito Júlio Ruivo, à Secretária Denise Flório Cardoso e ao amigo Rafael Nemitz pela divulgação.

sábado, 25 de julho de 2009

O céu em um sonho...


A grande maioria das vezes, quando entrego os meus pensamentos e dedos ao teclado do computador, rogo a Deus para que o produto de minha escrita ajude alguém, em alguma coisa. Quando digitamos com grande paixão, existe uma comunhão de energias e, em poucos segundos, estamos em contato com um pouco da divindade. Eu acredito nisso.

Um exemplo: você poderia ter ultrapassado este artigo, sem percebê-lo. Sim, poderia. Entretanto, não o fez. Coincidência ou destino? Não teremos como comprovar, objetivamente. Neste ponto caberá às crenças subjetivas do leitor. Pense o que quiser.

Contudo, vamos parar um momento e pensar no que Santo Agostinho escreveu: “Não existe passado e futuro, somente o eterno presente”. O passado somente existiu e o futuro só ocorrerá enquanto presente. O que passou, passou e já foi. O que irá acontecer, ainda não pode ser observado fisicamente.

Atualmente, a sua personalidade não é igual a do ano passado. Você aprendeu, mudou, conheceu e viveu. Agora, dentro do seu cérebro, está embutida a melhor individualidade da sua existência, a única que ainda realmente permanece.

Portanto, vamos mudar a nossa postura, tentar viver mais o agora, com a índole de uma vida construtiva, sabendo que conflitos existirão, mágoas serão causadas e sentidas, mas que a “boa fé” ainda faça parte do nosso infindável presente. Como dizia o poeta: “Que seja eterno, enquanto dure...”.

Enfim, percorra o céu das nuvens brancas, com um olhar de sonho. Sinta o calor exalando das pedras quadradas, dos paralelepípedos azuis. Saiba que no meio deste mundo caótico, cheio de maldade, ainda existem corações bons e felizes. A beleza da vida está aí, ao seu lado – basta você esquecer o mau passado, agradecer ao bom futuro, soltar sua pesada mochila e olhar para o belo, contemplando-o neste instante. Agradeça a Deus, você está vivo e faz a diferença.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Eu ouvi um caso de pedofilia em Santiago!


Ontem (segunda-feira, 20 de julho de 2009) fui ao supermercado Languiru, perto do Hospital de Caridade, em Santiago. Chegando lá, eu tinha de comprar, entre outras coisas, uma lata de seleta de legumes. Quando cheguei ao setor dos enlatados, vi um homem de uns sessenta anos, cabelos negros, que estava conversando com outro, um pouco mais novo, cabelos e sobrancelhas pendendo para a cor ruiva. Pareciam ser grandes amigos.
De início, ao procurar o que queria, no meio daquele monte de latas, não prestei atenção na conversa. Entretanto, a voz aguda do homem mais velho fez com que eu prestasse atenção na história:
- Pois é! É verdade! A Ernestina (troquei o nome) está baixada em casa, veio aqui no hospital e o médico mandou que ela ficasse em casa se tratando. Tá mal!
- Mas, bah! - Exclamou o mais novo. - É a gripe suína?
O homem de de mais idade mexe a cabeça negativamente.
- Não, não. É uma doença que inchou o pé dela. Tá com pé escuro e grande. Não lembro bem o nome da doença...
O mais novo enrugou a testa. Coçou o cabelo com o dedo, tentando adivinhar o nome da enfermidade. Queria socorrer o amigo. Só que antes dele falar qualquer coisa, o mais velho exclamou:
- Ah! Acho que lembrei. Parece que a doença é a tal da pedofilia!
Um segundo se passou em silêncio. Olhei para trás, para encarar os interlocutores diretamente. Achei que era uma brincadeira. Contudo, o homem que havia diagnosticado a doença de pé como pedofilia estava sério, olhando para o outro.
O mais jovem pareceu ter se dado conta de que aquela palavra estava errada. Com certeza percebeu o equívoco, mas não quis ser indiscreto. Ele disse:
- Tem certeza disso? Eu acho que deve ser outra coisa...
O outro não se apertou:
- Ah! Pode até não ser isso, mas é bem parecido e o pé dela está uma bola! Horrível!
Saí de perto dos dois e fui em direção ao açougue, tendo inserido em meu currículo de cidadão santiaguense a experiência de ser testemunha (auditiva) de um caso de pedofilia em nosso município!
===
Queria eternizar, neste simples conto, o momento engraçado que passei ao lado de um companheiro de nossa amada terra natal.
Na verdade, a Língua Portuguesa é tão difícil, com palavras tão parecidas (polissemia, homonímia, Paronímia, sinonímia etc) que muitas vezes causa confusão para quem lê ou fala. Erro natural e até comum, que todos nós cometemos. Entretanto, não deixa de ser engraçado...
===
PS: tomara que a senhora que está doente melhore de sua pedofilia!
Até a próxima!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Feliz amigo de cada dia!


Um dia o meu sogro me disse:
"- Amigo, amigo mesmo, não conseguimos encher os dedos de uma das mãos..."
Na época achei um tanto trágico, talvez rígido demais.
Entretanto, cerca de dez anos se passaram, acho que hoje concordo quase que totalmente com ele. Amigo de fé existem poucos.
Contudo, temos vários amigos de cada dia, a cada instante.
Estes amigos fugazes são tão importantes quanto os poucos perenes. São as pessoas de boa índole, que passam por nosso caminho e alegram nossa jornada.
Julgo que se você é feliz, sua postura será amistosa e, apesar dos erros de comunicação,
fará mais amigos que inimigos...
Portanto, gostaria de dar um grande abraço nos felizes amigos de cada dia!
Feliz dia do amigo!
Como diz o Márcio Brasil, "Um abraço para todos os meus amigos reais ou imaginários". Completo abraçando os perenes e os fugazes.
Ficamos com Deus e que tenhamos um ótimo futuro!

Gripe Suína ou Gripe Sulina?


Não adianta negar - ficamos preocupados.
A coragem se escora, um pouco, em nossa ignorância.
Ficamos rindo, quando vemos alguém de máscara, como se a pessoa fosse um tanto exagerada.
Entretanto, quando imaginamos o risco que os nossos filhos correm, ficamos assustados.
Confusão mental dos indecisos.
A mídia brasileira (talvez a mundial) fica nessa gangorra de informações: num determinado momento é para não se preocupar, pois esta é igual a gripe comum. Em outro instante "utilizem as máscaras, afinal temos mais quatro mortes no Rio Grande do Sul"...
===
É importante lavar as mãos e usar máscaras, não se esqueçam disso!
Ah, mas tomar chimarrão em rodas enormes, com a partilha de saliva, isso pode?
===
Esta gripe suína está virando sulina.
Já "corre frouxo" o tal do vírus, pelos pampas gaúchos. Não é à toa que recebemos grande contribuição cultural dos hermanos argentinos. Estamos muito perto, somos vizinhos.
Alguns dizem que estamos perto é do fim do mundo! Talvez.
Esse vírus sofreu mutações genéticas e evoluiu. Ao menos a virose evolui, pena que negativamente.
===
Acho que nós, humanos, deveríamos "mutar" geneticamente, mas só que positivamente.
Assim aprenderíamos a cuidar da natureza (nota cínica da produção: eu gosto de lareira, fogo e vinho no inverno...). Espero uma mutação genética para melhorar.
===
Acho que estamos sentindo o que os índios (ameríndios) sentiram em 1500. A invasão da gripe homicida. Pode ser que não seja tanto quanto eles, mas dá para ter uma idéia.
===
Enfim, só tenho algo mais a dizer. Foi um prazer escrever para vocês, espero que aaaa...que aaaa. que aaaatichimmm! Desculpe. Oopps?

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Um céu é tudo...

Um céu é tudo.

As estrelas no mar aéreo, no infinito escuro,
parecem engolir a pequena alma humana que,
por aventureira, inventa investigar o imensurável.
Olhos pequenos refletem o grandioso firmamento sem fim.

Se compreendêssemos o universo, com todas as suas relíquias secretas
e todos os recôncavos das mais variadas dimensões,
talvez,
talvez pudéssemos diminuir tamanho ego, egocentrismo e egoísmo humano
que insiste em ser maior que um céu,
que acha que ilumina mais que um sol,
que faz brotar mais lágrimas que as lágrimas-nuvens e, por fim,
que pretende ser mais belo que os pontinhos incontáveis das branquinhas estrelinhas.

Eu sei,
não se pode alterar o imutável.
Porém, podemos dizer que um céu é tudo...

terça-feira, 14 de julho de 2009

As duas violências

Existem dois tipos de violência no mundo: a explícita e a implícita.

A primeira, ameaçadora à existência física, surge devido às necessidades materiais (ganância), de sobrevivência (fome, frio etc) e como fonte de recursos para obter drogas (crack etc). É constatada em furtos, brigas, assassinatos e outras ocorrências. É um tipo de agressão de fora para dentro. A outra violência é a pior, miúda em percepção e imensa em danos. Está escondida em atitudes cínicas, fofocas ofensivas e em outras reações negativas, que visam o fracasso alheio. Atualmente, na era dos pós-internáuticos, se tornou comum, com traços destrutivos, fazendo parte dos relacionamentos interpessoais, quase atingindo a genética humana. É um modo de agressão de dentro para fora.

O mundo (e Santiago) padece com essas formas de violência. O que fazer?

De fora para dentro, só nos resta torcer que a selva de pedra em que vivemos seja sorteada com atitudes milagrosas, ou no mínimo inteligentes, de nossos governantes. Nesse caso, sugere-se o investimento em EDUCAÇÃO. De dentro para fora, cabe o repensar as próprias atitudes, rever os erros e (auto)criticar a postura pejorativa que por vezes está em nossa conduta. Nesse ponto cabe um auto-investimento em REEDUCAÇÃO.

Só assim passaremos a interferir neste mundo caótico, do mais perto para o mais afastado e, talvez, o futuro de nossos netos se torne tão saudável quanto o dos nossos avôs, onde o bigode era sinônimo de responsabilidade e honra.


segunda-feira, 13 de julho de 2009

I MARATONA CULTURAL DE SANTIAGO - Um evento de Sucesso!




No dia 11 de julho de 2009, no Centro Cultural de Santiago, entre 19h00min e 21h30min, ocorreu a I Maratona Cultural de Santiago, com a apresentação do coral Professora Helena Teixeira, da Companhia de Dança Corpus com o balé clássico e do grupo de Teatro Liberdade.
Além disso, foram lidos poemas e poesias de escritores santiaguenses e da região.
Como se observa pelas fotos, o evento foi um sucesso, tendo a participação de mais de 60 (sessenta) pessoas da comunidade e autoridades, entre elas o Prefeito Júlio Ruivo, a Secretária de Educação e Cultura Denise Flório Cardoso, o representante da Câmara Municipal o vereador Davi, a Irmã Gessy Diretora do Colégio Medianeira, a Sra Enadir Obregon Vielmo - Presidente do Centro Cultural, entre outras personalidades. Compareceram, também, vários escritores como Therezinha Lucas Tusi, Alessandro Reiffer, Márcio Brasil e vários outros autores.
O evento transcorreu de maneira informal, com a própria platéia realizando a leitura das poesias dos escritores regionais, sendo que no final da maratona todos saudaram a oportunidade cultural com uma calorosa salva de palmas.
Nós, da Casa do Poeta de Santiago, temos a certeza de que o evento ficou para a história do município, como um passo realizado em prol da cultura e em nome de nossa amada Santiago!

Seja nosso associado! Inscreva-se na Livraria Santiago, próximo ao Clube União Santiaguense.
Carlos Giovani Delevati Pasini
Presidente da Casa do Poeta de Santiago

terça-feira, 7 de julho de 2009

I MARATONA CULTURAL DE SANTIAGO

A Casa do Poeta de Santiago tem a grata satisfação de convidar a comunidade Santiaguense e Região, para o "I MARATONA CULTURAL DE SANTIAGO" que ocorrerá no Centro Cultural de Santiago, próximo ao Banco do Brasil, às 18h30min, do dia 11 de julho de 2009, conforme o convite abaixo. A atividade contará com a leitura de poesias, canto, dança e apresentação de um ato de uma peça teatral.

Contamos com a sua presença!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...