quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Artigo do Expresso Ilustrado - 31 Dez 09 - Feliz Sorriso Novo!


Li o texto “Feliz Olhar Novo”, do Carlos Drummond. As belas palavras fizeram com que eu mudasse o rumo deste artigo, onde pretendia falar sobre honestidade. Mas esta época nos remete a um passeio por nossa própria vida. Numa retrospectiva, repensamos o 2009. Neste ano que passou, fizemos novos amigos, brigamos com alguns, choramos as perdas irreparáveis, dançamos algumas músicas e ficamos leves ao sentir cheiros e gostos! Fazer o quê? A vida é assim e nunca será igual, nem mesmo quando reprisarmos aquele fantástico filme de amor. O tempo nos prega essa peça: o segundo seguinte sempre será diferente do anterior, apesar de parecido. Dentro de nossos olhos, brilhantes ou não, as modificações surgem velozes. A fantástica magia de ser único e diferente. Qual o significado da vida? As flores se fecham e se abrem, o sol desce e sobe, a chuva vai e vem. A família se abraça, as viagens são feitas, os carinhos parecem marcar o eterno instante! Caro leitor, existem “coisas do tempo” e “coisas do agora”. Nas primeiras, somente o cheiro familiar, o coração e o amor conseguem se enquadrar. As outras não significarão nada. Nesta época, quando o 2010 cresce ante nossos corpos, com os seus dias enormes e pequenos, devemos ficar muito felizes: os abraços, as tristezas, as alegrias, os encontros, os desencontros, os ares, os olhares e os sorrisos – todos esses – serão esplendidamente novos! O sentido da vida é aproveitar cada uma das emoções. Feliz sorriso novo!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Serenidade

Desenho retirado da internet


Uma voz serena acalma
a alma...
Independe a idade,
quando a sonoridade
toca o coração.
===
Ontem, falei com uma mulher idosa
-caridosa-
que com palavras suaves
tocou minha solidão,
enviando-a para a órbita de marte...
===
No momento em que os lábios enrugados
indicavam o melhor caminho para a vida,
numa dança metódica,
esplêndida,
da sabedoria da senilidade,
eu pensava:
será a idade?
===
Não...
Acho que a resposta é a serenidade.
Serenidade presente em qualquer idade,
da vida de quem realmente é feliz...

sábado, 26 de dezembro de 2009

Artigo do Expresso Ilustrado - Sobre Professores e Sonhadores




Época de Natal. Momento de se falar em Jesus, esperança e futuro. Período de trocas, doações e carinho. Tudo isso me faz pensar em professor. Portanto, vou escrever sobre os incansáveis educadores, aqueles com um ideal belo (e eterno) no coração: deixar um pouco de si, de sua alma, transplantado na personalidade de seus alunos. Há duas semanas, por exemplo, observei uma professora costurando sacos vermelhos, feitos de tecido barato. Perguntei a finalidade e ela respondeu: “- Estou montando saquinhos de natal dos meus alunos. Dentro irei colocar balas e lembrancinhas...” O que mais me surpreendeu é que ela estava tirando dinheiro do próprio bolso, para confeccionar os presentinhos! Quantos educadores fazem o mesmo? Este é o verdadeiro espírito de natal. A doação, mesmo quando não se tem, num trabalho silente, em busca do “brilho ofuscante” nos olhos dos alunos. As Ana(s), Agnissa(s), Lígia(s), Mário(s) e tantos outros. Os guerreiros do conhecimento. Uma profissão de fé, quase um sacerdócio. Caro leitor, eu sei que as aulas já acabaram. Mas, se puder (mesmo que na rua) faça um elogio ao dono do ofício mais importante do mundo: o professor. Se tiver a oportunidade, retribua com um abraço carinhoso. Saiba que, na maioria, esses mestres não passam de admiráveis humanos sonhadores... Seja um Papai-Noel na vida deles. Afinal, não seríamos nada, sem um bom professor. Boas festas para todos nós!

Desculpas aos leitores

Peço desculpa para os leitores, por não ter postado nada nos últimos dias.
===
São dois motivos da ausência:
O primeiro é que estou revisando um livro que irei lançar em janeiro de 2010.
O segundo é saúde - tive uma crise de hérnia de disco e fui obrigado a evitar cadeiras. Escrevia somente no Lap Top, que não tem internet.
===
Agora vou tentar voltar à ativa...abraços

domingo, 20 de dezembro de 2009

Expresso-Vila Maria campeão!

O Expresso-Vila Maria, time do qual sou técnico, foi campeão da Segunda divisão do campeonato municipal de Santiago.
Em dois jogos finais:

Expresso Vila Maria
5 X 4 São Jorge

Expresso Vila Maria 0 X 1 São Jorge.


A decisão foi para os pênaltis e o Vila Maria foi campeão por 4 a 2. Estamos na primeirona em 2010!!!


sábado, 19 de dezembro de 2009

Artigo do Jornal Expresso - Uma nova caminhada - 18 Dez 09


Em 1989, quando eu tinha 13 anos, saí de Santiago rumo ao Colégio Militar de Porto Alegre, chorando por deixar a terra natal (do Boqueirão) e os amigos da Escola Apolinário. Lembro-me, claramente, do ônibus saindo da rodoviária, com destino à capital do Estado.
De lá para cá 20 anos se passaram. Muitas realizações pessoais e profissionais. Grandes felicidades e algumas tristezas. A maturidade veio chegando, a roda da vida continuou girando, girando e girando...
No ano de 1999, por exemplo, época que retornei da Academia Militar das Agulhas Negras, conheci o Jornal Expresso Ilustrado, quando saí numa foto, na coluna social, junto de uma amiga (que se tornou esposa). Passei, então, a acompanhar as informações, opiniões e fatos que viraram a marca de nossa existência local.
Por coincidência, este 2009 foi repleto de satisfações. Eu poderia ressaltar inúmeras, mas destacarei apenas a mais recente. Fiquei extremamente feliz ao ser convidado para ser um dos colunistas deste periódico. O Expresso faz parte da história da região e nós, comunidade em geral, já fazemos parte dele.
Agora, enfim, sinto-me completo como escritor santiaguense. O maior sonho de alguém que ama escrever é a possibilidade de ter contato com o leitor. Essa coluna propiciará isso. À direção, o meu “muito obrigado!”. Finalmente, já que falamos em “9” - que em 2019, 29, 39 (...) possamos comemorar a saúde, a paz e o sucesso!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Equipe do Expresso...

Caros leitores, a partir desta sexta, 18 de dezembro de 2009,
passarei a ser um dos colunistas do Jornal Expresso Ilustrado.
===
Fiquei muito feliz com o convite.
Espero que possam ler e comentar sobre os artigos.
===
Ao Expresso, muito obrigado pela confiança!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A loucura sensata


Sou louco?
Somos loucos?
Não sei.
===
O delírio coletivo passa despercebido e não existe.
A insanidade repetida por inúmeros loucos torna-se uma normalidade...
===
Por qual motivo brigamos tanto?
As discussões não levam a nada.
A covardia também não.
Raul Seixas já dizia: "As pedras que choram sozinhas, no mesmo lugar..."
===
Pedras. Inertes. Duras. Frias.
Entretanto, choram sozinhas, no mesmo lugar.
Um tributo a vagarosa covardia do costume...
===
Nada mais lindo que a paixão.
Aquela sensação inicial, de páginas em branco, sem o rancor do dia-a-dia.
O olhar primoroso e as reações animalescas. Ou o puro espírito conquistador?
Não sei.
Estou vagando pela "ebulição de idéias"...
===
Julgo-me um eterno apaixonado.
Sinto paixão por tudo o que faço e o que penso em fazer...
O trinômio:
Idéia - Ação - Reação.
Tenho amor à vida e aos segundos do tempo.
===
Dormir é coisa para louco.
Parece loucura?
Eu sei.
Só que dormir acaba com o tempo criativo das horas noturnas
da madrugada silenciosa, fria e cooperativa.
Ela, quieta, observa os sons de nossos dedos, de nossa alma
e sorri
na penumbra silenciosa da solidão acompanhada...
Isso é ser louco?
Então prefiro um manicômio. Lá tem letras???
===
É que o normal,
a loucura sensata
é ficar falando mal do vizinho
e assistindo a novela da TV.
===
Não cuido da minha própria saúde?
Mas que saúde?
===
Saudável é ser feliz.
O resto são ossos, carne e pó.

Ponto final.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O 17º Cafezinho Poético da Casa foi um sucesso!


O 17º Cafezinho Poético da Casa do Poeta de Santiago foi um sucesso!

Ficamos felizes com a presença de escritores e leitores de Santiago.
Quem estava lá pode observar que a oportunidade de aprendizagem é incrível!

Os cafezinhos poéticos acontecem no Centro Cultural de Santiago, quinzenalmente, aos sábados e se conduz de forma descontraída.

A atividade é aberta ao público. Participe!
Avisamos neste blog e no site: http://www.casadopoetadesantiago.com.br/

sábado, 12 de dezembro de 2009

A vida com o amigo Nelson Abreu...

Falar sobre o Nelson Abreu é algo muito fácil e difícil (ao mesmo tempo).
Difícil por que ele é um amigo que nos acompanha (eu e minha família) desde 1998.
Numa situação de saúde como essa, fica impossível falar de um grande amigo sem engasgar.
===
Também fica fácil, pois são tantas coisas boas para falar.
Na foto, por exemplo, ele está recebendo um certificado da Casa do Poeta de Santiago, por incentivo à cultura, por ter criado o projeto de lei que criou o epíteto "Terra dos Poetas" para o nosso município. Era o dia 13 de dezembro de 2008, a exatamente um ano, a fundação da Casa do Poeta...
===
Quarta-feira passada, eu e minha esposa fizemos questão de ir ao Hospital de Caridade de Santa Maria para visitá-lo. O aperto na sua mão e os olhos-nos-olhos me deixaram muito emocionado. O Nelson sempre foi expansivo e carinhoso. Eram 12h30 minutos de quarta-feira, algumas horas antes da primeira cirurgia, a de drenagem.
===
Sabemos que a situação é difícil. Torcemos e rezamos por ele. A sua força irá romper as barreiras do possível e do impossível.
===
Em momentos como este o melhor é ficar quieto.
Estamos sofrendo juntos há quase uma semana. Só hoje consegui falar sobre isso.
===
O que resta dizer é que o valor de uma pessoa é medida pelos seus frutos.
Do amigo Nelson são muitos...

Um convite especial - Não tinha como recusar...

Esta semana eu recebi um convite especial.
Era um desejo que eu tinha, desde que retornei para Santiago, no ano de 2006.
Um grande amigo intermediou o convite.
===
Ainda não vou declará-lo publicamente. Contudo, posso adiantar que é algo que me fez (e fará) muito feliz. Tudo relacionado com as letras...
===
Sexta-feira que vem, dia 18 de dezembro, acho que expresso o que penso e digo tudo para vocês...
===
Até lá...

Palavras sábias do Márcio Brasil...


Hoje, no 17º Cafezinho Poético, que ocorreu no Centro Cultural de Santiago, o Márcio Brasil disse uma frase, mais ou menos assim:
"Não existe velho ou novo - existem pessoas vivas ou mortas. A idade é questão de espírito."
Sábias palavras.
===
A idade deve ser medida pelos olhos. Isso mesmo, o olhar de uma pessoa define a sua velhice ou juventude. Existem tantos idealistas de 70 anos (um segundo para um suspiro!). Tantos jovens de coração, como foi o saudoso Carlos Drumond de Andrade ou o suave Mário Quintana...
===
Em contrapartida, infelizmente, também existem "velhos" de caráter e de "olhos negros". Eles tentam esconder o que é belo da vida (arte, amor, natureza...) em prol do que é passageiro (dinheiro, posse, matéria...).
===
Sou a favor do seguinte pensamento - todos podem mudar. Todos podem melhorar. Causamos maldades e agimos com bondade. O meio interfere no indivíduo que também influencia o meio...
===
Sábias as palavras do Márcio Brasil. A sensação que tive - sou novo, tenho 34 anos - mas a sensação que eu tive era de estar beirando os 18...
===
"Alma jovem em corpo velho? Alma velha em corpo novo?"
Qual seria a nossa opção?
===
"Nada detém a marcha inexorável do tempo..."
O tempo é impiedoso.
Contudo - Nada detém a força inexorável do olhar jovem e apaixonado.
A paixão (e os sonhos) é que movimenta o mundo. Não somente a paixão pelo sexo oposto, mas aquele sentimento fervoroso que alavanca tudo que desejamos realizar. Aquela magia que deixa os olhos lindos, limpos e jovens...

A Casa do Poeta de Santiago sediará uma Delegacia do CILAM do COREDE


A casa do Poeta de Santiago, Casa Caio Fernando Abreu, sediará a mais nova Delegacia do Centro de Integração Latino-Americana (CILAM), para todos os municípios do COREDE.
===
O CILAM é uma ONG que busca a integração cultural da América Latina, tendo o objetivo de integrar os povos, por intermédio de congressos, fóruns, seminários (etc.) que propiciem o relacionamento entre os países.
===
O primeiro fruto dessa parceria é o I FÓRUM LATINO-AMERICANO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA / II ENCONTRO DE ESCRITORES DO MERCOSUL, que ocorrerá em Santiago, paralelamente a Copa Santiago, nos dias 22, 23 e 24 de janeiro de 2010. O tema do evento é "Propostas de integração e desenvolvimento da Literatura Latino-Americana".
===
Estamos felizes com o evento. Pretendemos "fechar" a rua da Cãmara dos Vereadores, com a inclusão de tendas culturais, venda de livros, teatro, lançamento de livros.
maiores informações:
http://www.casadopoetadesantiago.com.br/

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Colégio Militar de Santa Maria - sonho realizado


Na quarta-feira passada, 09 de dezembro de 2009, saiu a minha transferência por nomeação como instrutor no Colégio Militar de Santa Maria. Fiquei muito feliz! Vários foram os motivos, vou citar dois...
===
O primeiro motivo é que voltarei a trabalhar na área de educação, a qual gosto muito, pois ocuparei uma vaga na Seção Técnica de Ensino do CMSM.
===
Em segundo lugar, vou permanecer "grudado" com a minha amada terra natal, Santiago, onde pretendo vir na maioria dos finais-de-semana e nunca perder o contato.
===
O Colégio Militar é uma instituição do Exército Brasileiro voltada para a educação de jovens, no ensino fundamental e médio, sendo que os alunos ingressam nas escolas por intermédio de concurso.
===
Não poderia ter retorno melhor, na minha profissão, do que trabalhar no Colégio Militar de Santa Maria. Essa felicidade é o que importa - viver o agora...
===
Mais informações sobre o CMSM visite: www.cmsm.ensino.eb.br/

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Um vazio no coração - abraços ao meu pai


"A saudade é uma palavra triste" - dizia uma certa música gaúcha...
===
Hoje, retornei a revisar o livro em que escrevo sobre meu pai.
Relembrando as situações vividas, fiquei com saudade.
A futilidade da vida - dinheiro, carro, casa, objetos materiais,
tudo fica tão pequeno quando a perda é irreparável.
===
Somente quem passou por isso para entender o que sinto, neste momento.
Quem não passou, apenas imagina e a visualização não chega nem perto da dor.
Sei disso, pois assim imaginava quando o meu pai era vivo...
===
Quando um ente querido se vai, a base sólida fica balançada.
O meu pai faleceu no dia 20 de abril de 2009 e ainda estou desnorteado.
Não costumo dizer isso, mas um vazio se abriu no meu coração...
===
Parece estranho dizer isto?
Talvez.
O vazio que se formou é do futuro que não ocorrerá mais.
Dos instantes na churrasqueira, dos copos de vinho, dos perfumes que ele colocava para ir à missa. A mão na cabeça, o abraço na chegada e na saída.
O vazio no meu coração é o futuro que não ocorrerá mais,
conforme foi no passado.
===
Contradiz com o intenso calor humano e a infância intensa que ele me deu.
Isso completa o outro lado do coração, aquele que transborda com a felicidade plena.
===
Particularmente, acredito em Deus. Tenho fé e confio nele.
Apesar de ainda não entendê-lo.
===
Espero que Ele esteja cuidando do velho Acir José Pasini,
da mesma forma que o "Pai Pasini" cuidou de mim.
===
Do meu lado, após acabar este livro doído - mas feliz - espero que
os meus filhos gostem tanto de mim, quanto eu amei o velho pai.
===
O mundo gira, gira, gira...
e nada "detém a linda e implacável marcha inexorável do tempo".
===
Sejamos felizes...

domingo, 6 de dezembro de 2009

A viagem para Porto Alegre - 1989 - Passo 1

Foto Márcio Brasil

Em janeiro de 1989, quando eu tinha 13 anos, embarquei no ônibus da planalto, às 00h00min e sentei na poltrona "semi-macia". A viagem tinha o destino para Porto Alegre, onde eu passaria a estudar no Colégio Militar (CMPA).
===
Até hoje lembro, caro leitor, do momento que o veículo coletivo saía no trevo do Batista e, perto do distrito industrial (que na época quase não existia), tive a oportunidade de ver as luzes dos postes e das casas, à direita, que iluminavam a minha terra natal.
===
Naquele momento, não segurei as lágrimas, lembrando dos meus pais que haviam ficado na rodoviária santiaguense. Fiquei quieto, chorando baixinho e fiz a seguinte promessa (para mim mesmo): "Ainda volto pra Santiago..."
===
Apesar das lágrimas saírem quase em silêncio, um senhor de bastante idade, que tinha por volta de 80 anos, companheiro de poltrona, percebeu o meu sofrimento e disse:
- Não fique triste... Você está indo embora? O que houve?
Quando expliquei o caso, de que iria para o Colégio Militar de Porto Alegre, ele sorriu e continuou:
- Comigo aconteceu algo parecido. Só que fui forçado. Quando eu tinha 14 anos, eu tive a minha primeira experiência sexual. Uma vizinha de mais idade, acho que deveria ter uns vinte, foi comigo para um "capinzeiro" do lado da estrada e perto de casa. Quando nós estávamos no "bem-bom" a mãe dela nos pegou! Escutamos os passos dela, ficamos em silêncio, mas não adiantou! Aí, tu imagina... O meu pai me colocou no internato do colégio agrícola. Mas foi bom. Lá naquela escola aprendi muitas coisas e foi naquele ambiente que me tornei homem...
===
Aquela narrativa povoou minha mente de criança. Acho que a vontade de criar histórias aumentou com as aventuras do velhinho. Em resumo, não deixei que ele dormisse durante todo o trajeto. Num determinado momento, quando ele estava sonolento, cheguei a esbarrar no seu ombro, mentindo que era culpa da curva do asfalto. Obviamente ele percebeu. Sorriu e continuou a contar histórias fantásticas de sua vida passada...
===
Voltei a pensar em Santiago somente quando descia na "enorme" rodoviária de Porto Alegre. Era um mundo fantástico que se abria, descortinava o véu da inocência; e a cidade grande, dos prédios fantásticos e dos navios portuários, "engolia" o menino que havia viajado, quase seis horas, escutando os contos fantásticos de um idoso inominado...

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O posto do oposto


A suavidade ganha novas formas ao voar.
===
Ao tirar os pés do chão
e colocar no solo fértil,
plantas do corpo,
sola da fé,
gramados, rosetas e a simples terra.
Um pacto para a eternidade...
===
A chuva aguçando os sentidos
a umidade reativando os cheiros
--mato molhado--
formigas andando e o pensamento voando.
===
Um olhar e um luar
reflexos da imensidão projetando a mansidão.
As pupilas infinitas
engolem
a pequena bola branca
que paira no céu negro
de suaves nuvens.
===
Amor aos segundos da vida.
Batimentos cardíacos conduzindo um cérebro,
ou um cérebro
movimentando músculos de uma válvula mecânica?
===
Será que nossas
calmas
alvas
almas
sonham em entender
a grandiosidade?
O posto
do oposto?
===
Mar de escuridão
com borbulhas de estrelas
e baleias de nuvens gigantescas.
===
O posto
do oposto
que existe
no nosso rosto
quando assistimos
assassinatos
no jornal
da televisão.
Devassidão.

O Passo da Guanxuma

O escritor Caio Fernando Abreu, santiaguense, algumas vezes não é reconhecido como um cidadão da Terra dos Poetas. O mundo não sabe disso!
===
Em 1997, na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, RJ, tive a oportunidade de ler a obra "O Ovo Apunhalado". Naquela época eu gostei da sua escrita rebelde, sensível e profunda.
Se eu imaginasse que o autor era santiaguense (minha terra natal), a leitura seria mais proveitosa e até fundamentalista (palavra forte, eu sei).
===
No lançamento da campanha publicitária da Casa do Poeta de Santiago, relativa ao I Fórum Latino-Americano de Literatura Contemporânea, que irá ocorrer nos dias 22, 23 e 24 de janeiro de 2010, aqui em Santiago, fiquei emocionado com a declamações do Márcio Brasil e do Froilam de Oliveira que fizeram as apresentações de duas crônicas do Caio, respectivamente, "Raiz no Pampa" e "Nos Poços".
===
Em frações de segundos minha mente estava no passado distante. Alheio ao público presente na Câmara dos Vereadores de Santiago, retornei ao ano de 1989.
Dentro do ônibus, num banco de passageiro, numa meia-noite qualquer, eu deixava Santiago rumo ao Colégio Militar de Porto Alegre. Fiquei longe, voltando apenas nas férias, até o ano de 1998, quando retornei Aspirante do Exército. As palavras bonitas são o transporte que precisamos para viajarmos no tempo.
===
A vida é assim. Geralmente damos um maior valor a alguma coisa que perdemos. Quando o meu pai estava vivo, por exemplo, não passei todo o tempo que deveria com ele. Hoje, daria quase tudo por mais dois minutos ao seu lado (fisicamente).
===
O "Passo da Guanxuma", para Caio Fernando Abreu, era a cidade de Santiago, epíteto carinhoso para a "Terra dos Poetas".
Segundo ele, somos o que tiramos de nossa raiz.
===
Acho (acho é diferente de julgo -- o primeiro é mais indeciso), acho que na atualidade estamos perdendo um pouco o saudosismo.
--Palavras rápidas são imprecisas e inacabadas--
Mas, é isso.
Acho que os computadores nos deixaram um pouco mais metódicos e insensíveis.
Não temos tempo de ter saudade...
===
Algumas vezes passamos anos sem aprender nada.
Parece ridículo, mas é verdade.
Nos perdemos dentro (vou imitar o Caio) de-um-dia-após-o-outro.
Até que surge uma simples palavra, de um mero alguém,
e modifica toda a sua estrutura de pensar.
Um abalo sísmico da personalidade.
Então, você se enxerga no fundo daquele poço (do caio)
e pensa que pode até mesmo ser o tal do poço...
===
O Passo da Guanxuma me ensinou muita coisa.
Aprendi que não basta sonhar e lutar pelo sonho,
precisa-se, sim, buscar outros sonhadores.
A questão não é, caro leitor, saber mais ou menos,
escrever melhor ou pior,
a questão gira em torno do poder das palavras e da persuasão.
A luta por ideais parecidos, por obtenção de metas parecidas.
A confluência de princípios e parcerias de caráter.
===
Não pense, caríssimo leitor, que estou triste, ou qualquer coisa parecida.
Estamos felizes com tudo o que está ocorrendo.
Buscamos a força nas raízes de Caio Fernando Abreu,
nos braços do Passo da Guanxuma,
nos rios dos lambaris saltitantes,
nos pampas e nas cercas do agronegócio.
===
A energia etérea de Santiago está mudando!
Tenho fé que você se junte a nós.
O coração dos leitores-escritores da Casa do Poeta de Santiago
buscam novos companheiros.
A nossa doutrina é a abertura dos portões mágicos
da literatura, para todos que gostem de palavras.
===
A eterna dança das palavras.
===
Conheça o "Passo da Guanxuma" - "Terra dos Poetas".
Um local onde o tempo corre um pouco menos.
Ele pára e aprecia o pampa, dos limites da cidade...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

I Fórum Latino-Americano de Literatura / II Encontro de Escritores do MERCOSUL

I FÓRUM LATINO AMERICANO DE LITERATURA / II ENCONTRO DE ESCRITORES DO MERCOSUL

SANTIAGO, "TERRA DOS POETAS", DIAS 22, 23 E 24 DE JANEIRO DE 2010

LOCAL: CÂMARA DOS VEREADORES DE SANTIAGO

CERTIFICADO: 25 (vinte e cinco) horas - assinado pelo CILAM e pela Casa do Poeta de Santiago

INSCREVA-SE: Deposite R$ 20,00 (vinte reais) na conta-corrente da Casa do Poeta, listada abaixo, e envie o seu NOME COMPLETO, para o e-mail: secretaria@casadopoetadesantiago.com.br informando a data e a hora do depósito (é importante guardar o recibo!). Sua inscrição estará confirmada quando você receber o e-mail da Casa confirmando a sua inscrição.

BANCO DO BRASIL (001) -Ag 0353-0 - Conta-corrente: 25802-4 (Casa do Poeta de Brasileiro de Santiago)

Para informações sobre a cidade acesse http://www.santiago.rs.gov.br/

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O valor de um exemplo



A melhor forma de se aprender algo, em nossa vida, é pelo exemplo.

Quando eu tinha por volta de uns cinco ou seis anos, “peguei” uma bala do bar Bonanza, em Santiago, sem que ninguém visse. Ao sair do local, ao lado de meu pai, sem querer deixei que ele observasse a guloseima. Então ele perguntou:

- O que é isso? Você pegou essa bala sem pedir?

Ao obter a minha resposta afirmativa, não brigou comigo. Retirou uma moeda do bolso e disse o seguinte:

- Giovani, vamos até o bar. Você vai pagar essa bala...

Dito e feito. Tive que enfrentar o Firmino, o dono do bar e pagar a tal da bala. Naquele momento, confesso que fiquei com muita vergonha. Entretanto, hoje tenho muito orgulho.

Há algum tempo, o meu filho Eduardo, que na época tinha seis anos, fez o mesmo no supermercado Bazana, em Santiago. Ao sair do supermercado, observei um chiclete na sua mão. Perguntei:

- Eduardo, o quê é isso? Você pegou esse chiclete sem pagar?

Coincidências do destino. Diante da resposta positiva de meu filho, o passado voltou em segundos. Naquele instante, eu era o Eduardo e meu falecido pai estava em mim. Retirei uma moeda do bolso e, calmamente, fiz com que ele pagasse aquele chiclete, ao caixa do supermercado.O melhor valor que podemos receber (e deixar) é o exemplo. Talvez seja esse o ponto negativo, que assola a nossa sociedade: o mau exemplo. Este, tantas vezes difundido pela própria mídia impressa e televisiva, que coloca demonstrações de desonestidades dentro do nosso lar.

Caro leitor, todos nós teremos algumas opções na vida. Algumas delas possuirão o cheiro da desonestidade e o gosto do egoísmo.

Caberá unicamente a você a decisão. Aceitar a corrupção do caráter, ou ser feliz e dormir tranqüilo, toda noite, sabendo que os pensamentos e os exemplos valem mais que toda essa futilidade mundana.

Até hoje agradeço os bons exemplos recebidos de meu pai. A roda da vida gira, gira, gira...

De repente, nós voltaremos ao início - e o fim; o fim será apenas um recomeço...

(Em homenagem a Acir José Pasini, falecido em 20 de abril de 2009)

Livro "Deus - Um delírio"

Estou lendo o livro "Deus - Um delíro" de

I Fórum Latino-Americano de Literatura / II Encontro de Escritores do MERCOSUL

No dia 27 de novembro de 2009, às 20h00min, ocorreu o lançamento da campanha publicitária da Casa do Poeta de Santiago, em relação ao Fórum de Literatura Latino-Americano que ocorrerá nos dias 22 a 24 de janeiro de 2010, na cidade de Santiago, RS.

O evento foi um verdadeiro sucesso!

Observe mais fotos no site: http://www.beebop.com.br/

Ajude-nos a divulgar!

sábado, 21 de novembro de 2009

Pausa para um TCC

Caros leitores,
peço desculpas pelo fato de não estar postando quase nada,
mas estou me formando em Letras - Licenciatura e
estou na fase do TCC.
(Isso explica o desabafo do Po Ema).
===
O Tema é "O Desenvolvimento da Auto-estima pelas letras: sugestões para aumentar a auto-estima dos alunos de literatura do Ensino Médio"
===
Sei que o assunto escolhido é um pouco amplo, mas gosto da área motivacional e a literatura brasileira é o assunto que mais tenho pretensão de me aprofundar. Bom, estou adorando executar o trabalho.
===
A entrega do TCC é na segunda, dia 23 de novembro. Prometo que a partir de lá volto a postar mais textos. Grande abraço!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Lançamento da campanha de Marketing do I Fórum Latino-Americano / II Encontro de Escritores do MERCOSUL

A Casa do Poeta de Santiago, "Casa Caio Fernando Abreu", convida toda a comunidade regional para o lançamento da campanha de marketing do I FÓRUM LATINO-AMERICANO DE LITERATURA / II ENCONTRO DE ESCRITORES DO MERCOSUL.
A campanha será lançada no dia 27 de novembro de 2009, sexta-feira, às 20h00min, na Câmara dos Vereadores de Santiago e o traje é esporte.
O evento internacional ocorrerá naquele mesmo local, nos dias 22, 23 e 24 de janeiro de 2010.
Maiores informações podem ser obtidas no site da casa: http://www.casadopoetadesantiago.com.br/ .

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Po ema...



ema!
Por qual
motivo
esconde
a
cabeça
como
uma
avestruz?
===
Besteira de quem
não sabe nem rimar
mas tem vontade de voar
nas letras de um dedilhado
desconexo
infeliz
mas, enfim,
um desiquilibrio
estático.
===

eta
coisa difícil
a história
da tal gramática
que mais parece
matemática
- mais estudo menos gravo -
divido a multiplicação de espasmos
esquecendo a tal da sequência.
As letras são uma ciência.
===
Quando olho
de canto de olho (confesso)
para o "pai dos burros" e dos inaptos
que não me socorre,
pois não fala,
sinto que desidatro
a água de meu cérebro.
===
É bem mais fácil
carnear uma ovelha
- talho de orelha a orelha -
e sangue para todos os lados.
===
TCC?
Tô Cansado de Cirandas
Também Cansei de Cadernos
Tu Cabou a Correção?
Tá Cada Coisa...Ihhhh.
Terminei a Capa Colorida
Teclar Com Carinho
Todas Comparações Científicas
Tão Caídas e Cínicas
que
Tenho Coragem de Concluir...
TCC?
===
Loucura de pesquisa falsa...
Valsa com Tango e Salsa!
===
Pô Ema...
Tira a cabeça do vaso!
===
Ah!
Apenas um desabafo...

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O valor de um "não pensamento"

Foto retirada da internet

Algumas vezes ficamos sem saber o que dizer.
Os assuntos fogem de nossa mente.
Vou deixar "os dedos" agirem um pouco...
===
Existem dias que o "sentir" vale mais do que "pensar".
Refiro-me às sensações mais básicas, das quais eu cito:
- colocar os pés na grama;
- passear com o cachorro e os filhos;
- comer um fruta direto da árvore; e
- falar com a companheira (o) sobre as bobagens do dia-a-dia (sem pensar).
===
Estava com uma grande vontade de "postar" no blog,
mas não sabia o que dizer.
O meu dia - iniciou com trabalho -
e encerrou com passeios e pés descalços na grama.
===
Em relação ao trabalho, tenho um conselho:
faça tudo que achar correto,
seguindo a consciência tranquila.
O maior objetivo é manter a honestidade,
tentando não prejudicar ninguém.
Obviamente, o "tentar" não significa agradar a todos,
pois isso é impossível.
A única pessoa que temos que agradar
- somos nós mesmos -
a horizontalidade serena, do sono bem tirado.
===
Não existe dinheiro que compre a calma fornecida pela liberdade moral.
===
Essa liberdade facilita o "não pensamento"
e nos remete
à possibilidade das sensações fornecidas
pelos seis sentidos:
visão, fato, olfato, paladar, tato e transcendência.
===
A comunhão com a natureza: o valor de um "não pensamento"...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

As rosas nunca ouviram dizer...

Foto retirada da internet

Vou filosofar um pouco.
Pensar sobre a vida.
===
Uma das maiores dificuldades que tenho
é a relação interpessoal.
Por natureza, genética, nascimento - eu acho -
não me relaciono com as pessoas, tanto quanto deveria.
===
Prefiro ficar no meu canto,
com os meus livros.
===
A família é a minha principal roda de amizade.
Na verdade, até alguns familiares reclamam
que não faço visitas.
Sei de minhas limitações,
contudo,
confesso que não tento mudar.
===
O que não gosto nas "rodinhas do trabalho"
paira em torno da fofoca.
Basta ficar alguns minutos com mais três pessoas
e, automaticamente,
elas começam a falar mal de uma quarta
que (obviamente) não está presente.
===
Prefiro, na maioria das vezes,
ser a quarta pessoa e não estar presente.
Pelo menos quando falam mal de você,
a maioria das vezes não se fica sabendo...
(a não ser por uma fofoquinha)
===
Gosto da leitura de livros
por que ali estão palavras selecionadas (geralmente).
Mesmo aquelas que objetivam ofender
são construídas com inteligência
e não com simples falácia.
Afinal, nós falamos bobagem...
Quando escrevemos - pensamos.
===
Talvez eu devesse tentar mudar
a eterna antipatia.
Só que - vou falar a verdade -
adoro o meu jeito de viver.
===
Enfim, sabe aquele colega seu,
o chato,
que todos falam mal?
Aquele "mala", que é um baita egoísta
e que você e os outros tanto comentam?

As rosas nunca ouviram dizer...

Artigo para o jornal Pampa Regional: A chuva e o suor




Gosto de relembrar o meu velho pai.

Quando eu era criança, ele contava as suas histórias na colônia italiana, do alto-uruguai. Meu pai, Acir José Pasini, nascera em Barra Funda, RS, que fica relativamente perto de Palmeiras das Missões.

O velho Acir dizia que acordava as cinco horas da manhã, caminhava cerca de oito quilômetros e trabalhava o dia todo, debaixo do sol escaldante, na plantação da família. O almoço era pão e salame, acompanhados de um caneco de vinho. A mão ficava calejada e as costas (protegidas pelo chapelão) vermelhas e ardidas.

O suor banhava a carne. Pela testa escorria um rio de trabalho, árduo, difícil e lento. A enxada e a foice não eram tão rápidas quanto a máquinas da modernidade. O arado ainda era puxado por bois ou cavalos.

A dicotomia da existência: dificuldade e valor.

Quando as coisas surgem com dificuldade, de penosa conquista, a personalidade valoriza mais. Tudo o que é fácil torna-se barato e descartável. Por isso que as vitórias de batalhas prolongadas, heróicas, são as que damos maior importância.

O mesmo acontece com os exemplos.

A chuva lembra as histórias de meu pai. Hoje (terça-feira, dia 10 de novembro de 2009) está chovendo bastante. Santiago possui (agora) pequenos riachos de lágrimas, suor e aguaceiro.

Quando eu era pequeno, não gostava dos dias de chuva. Reclamava, pois o pátio enorme (com ameixeiras e pessegueiros) não podia ser explorado. Eu dizia: “- Que ódio! Essa chuva não me deixa brincar!”

Um dia, lá pelos meus dez anos, o Acir José Pasini disse, de forma calma e pausada:

“- Eu gosto da chuva. Na minha infância eu só podia brincar quando chovia muito. Nós não podíamos trabalhar na roça e ficávamos brincando no galpão.”

Como ele percebera que ganhara a minha atenção de criança, continuou:

“Quando eu estava com a enxada e olhava o céu limpo, o sol a pino, mentalmente torcia para que viesse a chuva. Pensamento de criança, sempre gostei de trabalhar. Mas, o galpão e a chuva forte foram os meus palcos da infância...”

A partir daquele dia passei a respeitar (mais) o suor e, principalmente, a chuva.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Artigo para o Jornal Pampa Regional - Tempo não é dinheiro

Foto retirada da internet

Na era “pós-internáutica”, tornou-se muito comum se falar sobre o tempo. Tanto que já temos várias obras e cursos de como se administrar corretamente o dia-a-dia. O humano da atualidade está tão atarefado (como este que escreve) que o maior sonho é a vida bucólica e pacata do interior. “Ah! Se eu tivesse uma chácara...”

Isso é tão notório que chego a pensar num “êxodo urbano” até a metade do Séc. XXI – o século da “vida virtual”.

Agora, um assunto que fez girar mais rápido os ponteiros do relógio: a internet. Invento que surgiu há cerca de 20 anos, revolucionou a difusão de conhecimentos. Entretanto, difundiu, também, a alucinação e a loucura coletiva.

Palavras ríspidas, eu sei.

Os vários programas de relacionamento virtual, tais como e-mail, orkut, MSN, Second Life, Face Book, blog, twiter, entre outros, conseguiram (ao mesmo tempo) distanciar e aproximar as pessoas de nosso mundo. Junto com os programas de relacionamento – o sexo – é o assunto mais acessado. Outro distanciamento de relações humanas e físicas, ou seja, um sexo virtual e, esporadicamente, doentio.

Quero dizer, os internautas ficaram tão submissos ao computador, que estudos recentes acusam uma estimativa de cerca de 10% dos internautas já se tornaram dependentes da rede mundial. Isso mesmo, eu disse dependentes.

Os usuários (como de drogas?) criam “ilhas” dentro de seus trabalhos e residências. Conseguem fazer com que a vida passe mais rápida, tanto que a medida das horas de nossa era está sendo marcada pela quantidade de clicadas, não de batidas.

Calma, os “internáuticos” não me crucifiquem. Também existem os pontos positivos, vou ressaltar alguns: a rede proporciona uma fonte de consulta inimaginável, tão rica e compartilhada entre nações. Em minutos o indivíduo pode navegar pelas bibliotecas e museus do mundo. Pode pesquisar, também, qualquer assunto pelos endereços de busca (google, yahoo etc.). Pena que quase não utilizamos os recursos, para tais finalidades.

Enfim, o artigo não é uma crítica ao Séc. XXI. Gostaria que o leitor encarasse como um aviso.

Afinal, na nossa época virtual o tempo não é somente sinônimo de dinheiro, como no século passado. Pode ser medido, talvez, pela quantidade de acessos.

Olha o vício...

domingo, 1 de novembro de 2009

As árvores são antenas de Deus...

Foto retirada da internet

Hoje, dia 1 de novembro,
saí para passear com minha esposa, dois filhos e
o meu cachorro da raça boxer.
===
Amanhã será o primeiro dia de finados sem o meu pai.
Ele faleceu no dia 20 de abril deste ano.
===
A importância que meu pai tem (e teve) na minha vida
é algo imensurável.
O amor não pode ser medido...
===
Ao passear pelos gramados e árvores que existem
próximos da minha casa, tive um pensamento:
As árvores são antenas de Deus.
===
Sou um criacionista.
(O que acredita que Deus fez o mundo e tudo que existe).
Acredito em anjos e Deus.
Também creio em demônios.
===
Hoje, na parte da tarde,
eu estava em contato com eles.
A cada árvore que eu passava,
encostava a mão no caule e pensava:
"Deus, que beleza essa natureza..."
ou, ainda,
"Árvore, reaproxime os anjos de mim..."
===
Para alguns, isso soará como beatice.
Outros, acharão maluquice.
Alguns concordarão com o meu pensamento...
===
A única sensação que posso apresentar é a minha:
As árvores são uma antena para a comunicação com Deus.
Elas potencializam os pensamentos
e nos remetem ao etéreo.
===
Hoje, ao retornar para casa,
com minha esposa, filhos e cachorro,
eu estava feliz...
===
O melhor de tudo:
estava acompanhado do Deus da vida.
Aquele Deus que ninguém te vende,
não é forçado,
não mete medo,
não castiga e
não é autoritário.
===
O Deus que cria a beleza de uma natureza
e propicia um lindo passeio com os nossos.
===
Agradeço essa sensação às lindas anteninhas verdes...

Descanso e felicidade

Foto retirada da internet

Volto para o blog...
===
Havia me afastado por alguns dias.
O feriado que nasce como o descanso do guerreiro.
Descanso físico e mental.
===
Hoje, gostaria de tratar de um assunto específico:
a FELICIDADE.
===
Julgo que sou uma pessoa feliz.
Só quem pode saber disso sou eu, ninguém mais.
Da mesma forma ocorre com você, caro leitor.
===
Só que a felicidade
é diferente da alegria.
A felicidade não depende de outra pessoa,
de um fato,
de material (carro, casa, coisas...),
ou de qualquer motivação externa.
===
Estou feliz mesmo quando sou carrancudo.
Acho que todos devemos buscar isso.
Temos que ficar felizes mesmo dentro de uma teimosia.
Só que o sorriso não significa felicidade, apenas alegria.
===
Quero dizer,
a tristeza também é passageira
e independe das pessoas que nos rodeiam.
Você pode estar numa festa, cheia de pessoas
e estar negro por dentro.
===
Só que uma pessoa não poderá estar
alegre e triste,
ao mesmo tempo.
Será um ou outro.
===
Contudo, você poderá estar triste e ser feliz.
A felicidade humana aceita momentos de tristeza.
===
Ontem, 31 de outubro,
uma pessoa quase desconhecida me deixou triste.
O fato não importa.
Uma daquelas besteiras de falha de comunicação
e julgamentos superficiais.
===
O que importa é que sou feliz e apenas fiquei triste.
É interessante sabermos a divisão dos conceitos
alegria-felicidade-tristeza.
As coisas ficam mais fáceis.
===
Carlos Drumond de Andrade aprendeu que devemos ficar calados.
Vamos aprender?
===
Enfim, julgo (dedução particular) que
a felicidade começa com o amor próprio.
Se você não gostar de si mesmo,
quem irá gostar?
===
P.S.: Gandhi disse algo no seguinte sentido:
"A felicidade não é um objetivo, mas um caminho para esse objetivo."

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Convite para quem está em Santiago

Foto: montagem Janice e Júlia Trombini

Para quem vai estar em Santiago neste sábado, 31 de outubro de 2009, deixo o convite para participar do 15º Cafezinho Poético Literário da Casa do Poeta de Santiago.

Local: Centro Cultural de Santiago
Horário: 20h00min

Contamos com a sua presença!


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Artigo para o Jornal Pampa Regional - As esquinas de Santiago


Foto retirada da internet

Geralmente gosto de escrever sobre educação e cultura. Acho, caro leitor, assuntos desligados de interesses particulares. A educação e a cultura, quando vistos sob um ângulo apolítico, são de relevância imensurável e tratam do coletivo.

Entretanto, hoje falarei sobre a nossa “terrinha”: a cidade de Santiago. (No final sei que voltarei para a cultura...)

O primeiro aspecto que gostaria de ressaltar se refere à construção de casas e edifícios. Em nenhuma cidade da redondeza se constrói tanto e em tão pouco tempo. Sinais da evolução física (material) e estética. Quero dizer, a renovação predial está tornando o município mais bonito e aconchegante.

O segundo tópico: evoluímos no pensamento urbano, arrisco a dizer – moderno. Não somos mais uma localidade ilhada, no centro-oeste do quase fim do Brasil. Os jornais, a internet, a TV, as revistas – tudo contribuiu para a aproximação dos grandes centros. Atualmente, a produção artística (literária, pintura, música etc.) não está localizada apenas nos braços de uma elite. Na verdade é do povo! E nisso o nosso povo é bom, ou seja, hábil em contar histórias e forte de tradição.

O terceiro e último item deste artigo focaliza algo metafórico, um tanto poético: as esquinas de Santiago.

As esquinas de Santiago já não são mais as mesmas! Elas – dizem as boas línguas – elas já não possuem mais a depressão e a tristeza que tanto causavam retrocessos. Talvez, em parte, pelas evoluções supracitadas. O fato é que o marasmo resolveu abandonar os nossos pagos, indo para bem longe da “Terra dos Poetas”.

As esquinas de Santiago, largas, azuis nos seus paralelepípedos, estão em polvorosa com as promessas do futuro que surge nas nossas curvas. Felizes, elas escutam as palavras positivas que circulam pelas calçadas...

“- Sou de Santiago!” – Diz o transeunte ao visitante desconhecido. O ar está mais doce e a respiração mais leve. “-Sou de Santiago, tenho orgulho e amo esta cidade!”

O que antes gerava espanto, agora se torna eco: “Amo Santiago...Amo Santiago...Amo Santiago...”. Nossos corações batem mais forte ao ver uma geração vindoura, criativa, positiva e poética. Onde se lê “poética”, entenda-se uma sensação e não um conjunto de palavras.

As esquinas de Santiago estão ficando poéticas de sentimento! O que antes era fofoca está se transformando em poesia. As danças do conhecimento se esbarram nas atividades sociais, políticas e desportivas. A mudança da direção e do sentido transformou o nosso presente e deixam lastros de sucesso para o futuro...

Pense sobre isso!

E que possamos nos encontrar nas esquinas da vida e nos caminhos de Santiago!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Texto do amigo Castiél

O amigo José Augusto Vicente Castiél (foto ao lado), colega de trabalho da Artilharia, solicitou-me que lançasse o seu texto no meu blog.
===
Cumpro tal solicitação com imenso prazer, pois este blog busca lançar assuntos de cultura e educação, além de temas que buscam fazer o leitor "pensar" sobre a vida.
===
É com satisfação que mostramos os trabalhos de novos escritores, ou de quem confecciona textos e, antes, deixava guardado.

As palavras devem ser feitas e lançadas para o mundo!
===
Aproveito a oportunidade para dizer aos amigos que desejarem apresentar o seu trabalho, que o blog está à disposição. Basta enviar o texto e foto. Grande abraço!
Vamos ao texto do capitão Castiél...

Entre cinzas e nuvens - José Augusto Vicente Castiél

Preciso descobrir qual a distância entre cinzas e nuvens...
E quanto mais anseio saber, menos sei, julgo eu,
Em meus momentos de solidão elas estão tão próximas,
De conseguirmos contar os sobrevôos nas trevas...
(que triste e duradoura sobriedade)
E logo em seguida...
Mergulhar eufórico nas águas da esperança, e de repente...
Quando o fôlego nos chama à tona, vemos o sol (a direta, reta e ofuscante realidade).

E tão distante pode ser também...

Como os milhares de anos luz que me separam
Daquela brilhante e majestosa estrela que agora contemplo...
Será que algum dia chegarei lá,
E lá no Éden possa permanecer por alguns...
Intensos e revigorosos momentos de ... ... luz.

Que inconstância é esta oh Senhor,
Digas-me o caminho para chegar às nuvens,
Tira-me destas cinzas que me sufocam e indesejavelmente me acaloram,
Que ciência ou consciência preciso...
Para ter a liberdade de ir e vir...

Não me olhes assim, toque-me e veja de que sou feito
Dê-me, então, a coragem e a confiança para nunca,
Chegar ao fundo e por lá permanecer,
Sopre esta névoa que nos separa, abra-me um caminho...
Tenho certeza que, apesar de tudo, e de eu ter desistido,
És incansável e batalhador, e enquanto houver ...
Vida,
Não desistirás de mim.

Não me deixe somente nas nuvens, pois passageiras elas são...
Mas também não me deixes nas decantadas e eternas cinzas,
Austero guia eu seja para saber os caminhos
Entre as cinzas e as nuvens

Por enquanto...
Conduza-me como sempre nesta era o tem feito.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

A Voz dos Escritores - Entrevista Juarez Girelli

A Casa do Poeta de Santiago (www.casadopoetadesantiago.com.br) lançou, no dia 24 de agosto de 2009, o projeto "A Voz dos Escritores" que visa entrevistar escritores de Santiago e região, difundindo através da internet o seu trabalho e opiniões. Este projeto possui a intenção de lançar no blog do Giovani Pasini, no site e no orkut da Casa do Poeta de Santiago, todas as segundas-feiras, uma matéria sobre os autores locais, contribuindo, assim, com o epíteto "Santiago: Terra dos Poetas".

Se o leitor tiver alguma idéia, sugestões de entrevistados, poderá enviar para os seguintes e-mails:gpasini@ig.com.br e secretaria@casadopoetadesantiago.com.br.

O nosso nono entrevistado é o Sr JUAREZ GIRELLI, 49 anos, natural de Santiago, RS. O Girelli é livreiro e trabalha na Livraria Santiago, perto do Clube União Santiaguense, na Rua dos Poetas. O companheiro Girelli escreveu obras infantis, com desenhos e muita luta. A sua humildade é observada nas condutas e conversas que temos com ele.
A entrevista ocorreu na semana passada e as aprendizagens transmitidas em algumas perguntas são interessantes. Vale a pena ler!

1. Quais os livros que o senhor publicou?
Girelli - Publiquei a obra "O menino e o pássaro", obra infantil e "Caminhos, o menino dos Trilhos" que transmite uma mensagem ecológica em forma de poesia.

2. Observamos nas suas obras uma ligação com o mundo infantil. Qual o motivo de gostar de escrever para crianças?
Girelli - Na verdade, todo o tempo que tenho, sem precisar ser adulto, torno-me uma criança, pois criança é um dom divino. Prefiro ver o universo da maneira mais simples possível e sempre poder perdoar.

3. Com quantos anos o senhor começou a escrever? Por qual motivo?
Girelli - Aos vinte anos; pelo vazio que sentia na alma e pelas injustiças praticadas pelo ser humano que fala em vida, mas que mata o planeta.

4. Qual o próximo projeto? Algum livro que está trabalhando? Qual será o tema?
Girelli - A próxima obra já está pronta. A história é infantil e só falta o desenho. O título é "A Cachorra Burguesa e o Cão da Favela". Trata das relações desiguais entre os seres vivos do planeta.

5. Fale-nos um pouco sobre a livraria Santiago:
Girelli - Comecei vendendo livros no calçadão, com uma mesinha. Nem imaginava trabalhar numa livraria. De repente, pintou uma parceria com o Tide Lima e deu certo. É ótimo, pois ali se encontram todos os segmentos da sociedade.

6. Quais o(s) escritor(es) que o senhor gosta e aconselha aos leitores desta reportagem?
Girelli - Aconselho a ler a bíblia, pois ela é o único livro que contém vida e traz o que todos buscamos, a vida e a paz. Depois, leiam todos os livros que os deixam felizes.

7. Qual o conselho que o senhor daria para quem está iniciando na escrita?
Girelli - Que escrevam e continuem sempre, sem medo de errar.

8. Utilize este espaço para falar o que quiser para os leitores da reportagem:
Girelli - Quando o sol nasce, ele nasce para o justo e injusto. Lembre-se: a verdade só acontece quando reconhecemos nossos erros e quando as injustiças são combatidas. O segredo da vida é acordar sorrindo, sem medo de ser feliz!


A imagem dissecada

Foto retirada da internet

A perfeição de caráter nunca será alcançada.
O ser humano é falho e imperfeito.
===
Obviamente, se torna mais fácil encontrar defeitos
na personalidade dos outros.
Julgar é o ato mais fácil de ser executado.
===
Pense comigo:
julgamos quando escolhemos o cônjuge,
quando queremos comprar uma roupa,
fazer uma comida,
executar um esporte,
ter filho ou não,
assistir um filme,
e tantas outras decisões...
===
Escolher é o ato mais executado na vida.
Tudo são escolhas e julgamentos.
Escolhemos tudo exceto a morte (quando não a escolhemos).
Nós julgamos - baseados em nossa experiência - para escolher.
===
Entretanto, o
é a atitude mais difícil de ser realizada.
Por isso, tenha muito cuidado ao julgar os outros.
Existe uma grande chance de você estar sendo enganado
pela própria arrogância.
===
Pensar nos próprios defeitos é muito bom.
Tentar corrigi-los também.
Difícil - quem já passou por isso sabe o que estou dizendo -
difícil é ser corrigido por quem é imperfeito ( talvez mais que nós)
e carrega uma carga excessiva de presunção.
===
Só que, no final de tudo, a análise "de fora" será sempre boa.
Rever a própria "imagem dissecada"
converge para a desestabilização e,
em consequência,
para uma reestruturação.
===
Afinal, a educação é isso:
ninguém é perfeito, todos podem ser mudados.
Evolução acalentadora.
Aprender e nunca ser apreendido por uma situação.
===
Por fim,
nunca tente prejudicar alguém.
Siga a proposta de Augusto Cury:
se não puder perdoar (esquecer)
ao menos de anistia para quem o magoou (esqueça dele).
Afinal, se você não amar a si próprio,
quem amará?

IV Seminário de Educação da UNOPAR - A Educação do Século XXI

Foto retirada da internet

A Universidade Norte do Paraná - Pólo de Santiago - estará realizando no Centro Empresarial de Santiago, nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2009 o IV Seminário Regional de Educação, com o tema geral "A Educação do Século XXI".

O evento fornecerá um certificado de 25 (vinte e cinco) ou 40 (quarenta) horas. O tempo maior será concedido para quem realizar o projeto de pesquisa. Como o seminário não possui fins lucrativos, por ser organizado pelos próprios acadêmicos, o valor da inscrição é R$ 20,00 (até 30 Out) e R$ 25,00 (de 3 a 5 Nov).

Serão palestrantes os seguintes educadores:

05 Nov 09 (noite) - Prof. Ms. Carlos Giovani Delevati Pasini - "A Educação com a ótica do futuro."
06 Nov 09 (tarde)- Prof. Esp. Froilam de Oliveira - "Hipertexto - Leitura & Escrita"
06 Nov 09 (noite) - Prof. Esp. Leonel Stallbaum - "Ensino à distância: Educação do Séc. XXI"
07 Nov 09 (manhã) - Profa. Esp. Cida Azzolin - "Juntando os pedaços da Educação e construindo um lindo Patchwork"
07 Nov 09 (tarde) - Profa. Esp. Ruth Elis Martins Gonçalves e Profa. Esp. Brisabel Amaral - "Obsolescência do conhecimento: transformações X desafios".

Quem quiser maiores informações pode entrar em contato com a universidade, pelo telefone 3251-1049 ou e-mail ins54@unoparvirtual.com.br.

Vagas limitadas!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...